''É bom ter um pouco de caos na cidade''

Mohamed El Sayed, egípcio, dançarino da Orquestra de Abu Ghid

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

25 Abril 2010 | 00h00

O dançarino egípcio Mohamed El Sayed, de 30 anos, veio ao Brasil para shows com a Orquestra Folclórica de Abu Ghid. A última apresentação será hoje, para moradores de rua, na Luz. Nascido no Cairo, El Sayed vive há 15 anos em Madri. É a segunda vez que ele vem a São Paulo, onde gosta de frequentar cafés e observar a diversidade.

Arquitetura. "Nenhuma casa é igual à outra em São Paulo. Essa variedade arquitetônica é um indicativo da diversidade de pensamentos e de um câmbio permanente de culturas", observa El Sayed. "Essa diversidade é a grande riqueza de um lugar. E no Brasil há uma integração maior, sem guetos como na Europa."

Impressões. Sayed relata que a grandiosidade da metrópole pode assustar quem vem pela primeira vez, mas essa impressão logo se desfaz. "Como em toda metrópole do mundo, as pessoas aqui têm um ritmo acelerado, mas a diferença é que param para conversar e dar informações", afirma.

Cafés. O dançarino adora caminhar pelas ruas da capital paulista e ir aos cafés. "São locais democráticos, com todo tipo de pessoa", diz. Para ele, apesar do trânsito, São Paulo não é tão caótica quanto o Cairo. "Mas é bom ter um pouco de caos. Cidades muito organizadas parecem superficiais, sem vida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.