Adriana Ferraz/Estadão
Adriana Ferraz/Estadão

Doria ‘vende’ 55 projetos nos Emirados Árabes Unidos

Prefeito apresentou pacote de desestatização e foi conhecer autódromo de Abu Dabi, que considera modelo para o que planeja em Interlagos

Adriana Ferraz, Enviada especial de O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2017 | 23h15

ABU DABI - O prefeito João Doria (PSDB) apresentou nesta segunda-feira,  13, um pacote de desestatização do Município com 55 itens a grupos de investidores árabes. Em viagem a Abu Dabi, nos Emirados Unidos, o tucano participou de quatro reuniões e deu destaque aos ativos municipais mais valiosos, como o Estádio do Pacaembu e os complexos de Anhembi e de Interlagos. 

Ao fim do dia, foi visitar o circuito da cidade, considerado um dos mais modernos do mundo. Lá, diferentemente da proposta de Doria, o governo permanece como dono, passando a gestão à iniciativa privada.

De acordo com a Abu Dhabi Motosports, que administra o autódromo, o modelo de gestão funciona porque é “híbrido”. Segundo o presidente da empresa, Al Tareq Al Ameri, o governo cobra resultados, faturamento e público. Hoje, são 15 milhões de visitantes por ano, mas a meta é chegar a 40 milhões em 2021. Além do autódromo, o complexo árabe tem hotel de luxo, shopping, empreendimentos imobiliários, marina, campo de golfe e Museu da Ferrari.

A empresa afirma movimentar o complexo cerca de 300 dias no ano. Um dos atrativos é a possibilidade de qualquer pessoa, habilitada a dirigir usufruir da pista por 20 minutos - por R$ 1,5 mil. Se privatizado, Doria diz que Interlagos poderá oferecer situação semelhante. Segundo o prefeito, o que importa em Yas Marina Circuit é a experiência de gestão, classificada por ele como um sucesso.

“Para Interlagos, na nossa análise, a melhor modelagem é a privatização. O governo não tem de ficar com essa responsabilidade.” Nesta segunda, o tucano acelerou no circuito a 210 km/h.

Doria disse que Interlagos deve buscar a alta eficiência. “Uma das grandes lições que tivemos aqui é a (de promovermos) tropicalização, buscarmos as características locais, o entusiasmo pelo automobilismo, como força motora.”

* A REPÓRTER VIAJOU A CONVITE DO GOVERNO DOS EMIRADOS ÁRABES UNIDOS E DA EMIRATES AIRLINES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.