WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

Doria vai a Seul conhecer tecnologias de transporte

Intenção é 'importar' o que dá certo lá a tempo de incluir novas ideias no processo de concessão do sistema municipal de ônibus

Adriana Ferraz, O Estado de S. Paulo

10 Março 2017 | 03h00

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), vai à Coreia do Sul em abril para conhecer tecnologias aplicadas no transporte público de Seul, capital e maior cidade do país, com 25 milhões de habitantes. Diferentemente da agenda cumprida nos Emirados Árabes e no Catar, onde o tucano tentou vender seu pacote de desestatização, a intenção agora é “importar” o que dá certo lá a tempo de incluir novas ideias no processo de concessão do sistema municipal de ônibus, previsto para ter edital lançado neste semestre.

Para Doria, a capital coreana, uma das mais conectadas do mundo, é exemplo para a política de “cidade digital”. Comandado pelo governo metropolitano de Seul, o sistema de ônibus tem base em quatro configurações de linhas, identificadas por cores e integradas por grandes terminais expressos. 

Os veículos são monitorados em tempo real por centrais que podem atrasar ou adiantar partidas, segundo a demanda. O sucesso do modelo passa por corredores de trânsito rápido, de linhas expressas (sem paradas intermediárias), conexões com o metrô e integração das tarifas.

Convite. Segundo a Prefeitura, a comitiva viaja a convite da prefeitura de Seul, onde Doria cumprirá agenda oficial. Desta vez, além do secretário de Relações Internacionais, Julio Serson, também vai Sérgio Avelleda, responsável pela pasta de Transportes e Mobilidade. Há interesse em visitar empresas ou startups com soluções inteligentes para o trânsito. 

O grupo sai em 11 de abril e volta dia 15, no feriado da Páscoa. “Vamos estar com o prefeito de Seul e também entrar em contato com grandes empresas coreanas, tanto as que já têm representação em São Paulo, como Samsung, LG e Hyundai, como outras que têm curiosidade de se instalarem aqui. O objetivo, neste caso, é trazer investimentos para a cidade”, explica Serson. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.