RAFAEL ARBEX/ESTADÃO
RAFAEL ARBEX/ESTADÃO

Doria exonera chefe de gabinete gravado na Máfia da Cidade Limpa

Filmado negociando propina, Leandro Benko foi nomeado pelo prefeito por indicação do secretário de Turismo, Laércio Benko

Fabio Leite, O Estado de S.Paulo

01 Agosto 2017 | 14h43

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), publicou nesta terça-feira, 1º, no Diário Oficial da Cidade, a exoneração do chefe de gabinete da Prefeitura Regional da Lapa, Leandro Benko, gravado em um suposto esquema de cobrança de propina para liberar propaganda ilegal na capital paulista, a Máfia da Cidade Limpa.O caso foi revelado na segunda-feira, 31, pela rádio CBN, que menciona empresários, representantes comerciais e 14 servidores públicos, entre os quais o chefe de gabinete da Lapa.

Benko foi nomeado ao cargo comissionado (sem concurso) pelo próprio prefeito em janeiro por indicação do irmão Laércio Benko (PHS), ex-vereador de São Paulo que virou secretário de Turismo do governo Geraldo Alckmin (PSDB) após fechar apoio à eleição de Doria, em outubro.

O chefe de gabinete da Lapa foi um dos seis servidores filmados pela reportagem cobrando propina para liberar panfletagem, cavaletes e faixas de propaganda nas ruas, o que é vetado pela Lei Cidade Limpa, em vigor há dez anos.

Ele sugere que o acerto poderia ser feito por cerca de R$ 7 mil e que envolveria o prefeito regional da Lapa, Carlos Fernandes, filiado ao PPS.

"São vários pratos de comida que a gente tem que dividir", disse Benko no vídeo. A reportagem não conseguiu contatá-lo entre segunda-feira, 31, e terça-feira.

Os outros cinco funcionários gravados são servidores de carreira da Prefeitura e, segundo a gestão Doria, serão afastados por 120 dias para investigação interna que pode resultar na exoneração a bem do serviço público.

A Secretaria das Prefeituras Regionais ainda está identificando quem são os funcionários filmados para afastá-los de suas funções.

Máfia da Cidade Limpa

O esquema, segundo a CBN, envolve fiscais e funcionários das prefeituras regionais de Cidade Tiradentes, Lapa, Mooca, Penha, Pinheiros, Pirituba, Santo Amaro, São Mateus, Sé e Vila Prudente. 

Segundo a gestão Doria, uma investigação interna será feita para apurar se os demais funcionários citados pela reportagem têm participação no esquema, como o prefeito regional da Lapa, Carlos Fernandes, que nega envolvimento e defende apuração e exoneração dos envolvidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.