WILTON JUNIOR/ESTADAO
WILTON JUNIOR/ESTADAO

Doria diz que problemas em semáforos são herança da gestão Haddad

Prefeito disse que nova licitação para manutenção dos sinais será apresentada no dia 6

Roberta Pennafort, O Estado de s. Paulo

27 Junho 2017 | 19h27

SÃO PAULO - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), disse nesta terça-feira, 27, que a nova licitação para o contrato de manutenção dos semáforos da cidade será apresentada no próximo dia 6, e atribuiu a falta de conservação dos sinais à gestão que o antecedeu, de Fernando Haddad (PT). Segundo o jornal Folha de S.Paulo publicou nesta terça-feira, 27, a capital está há quase seis meses sem um contrato vigente, o que coincide com o período de Doria no cargo.

“No próximo dia 6 teremos nova licitação. A primeira foi inviabilizada. Tivemos que construir a licitação pública, seguindo o rito. Espero que possamos iniciar essa ampla manutenção dos semáforos de São Paulo”, disse Doria, confirmando que um edital foi divulgado anteriormente, mas tinha problemas. “Essas situações podem ocorrer, foi corrigido. É melhor corrigir do que insistir no erro”.

Ele afirmou que procura não criticar o governo Haddad, mas ressaltou que o apagão nos semáforos não vem de agora. “Nós herdamos da gestão anterior. Não quero estigmatizar, não é meu perfil ficar falando mal da gestão anterior. Não uso isso como artifício para justificar o que fazemos ou deixamos de fazer, mas a manutenção não vinha sendo feita.”

Doria participou, no Rio, do evento “E agora, Brasil?”, promovido pelo jornal “O Globo” no Consulado da França no Rio. Numa apresentação de sua gestão a jornalistas, ele elogiou a índole do antecessor: “É uma avis rara dentro do PT, é honesto num partido de desonestos. Ele nem deveria ficar no PT”.

Em resposta às críticas do prefeito João Doria, a assessoria da gestão anterior disse que durante o governo de Fernando Haddad, depois da reforma semafórica em 2013 e 2014, os indicadores de semáforos com problemas não superavam a marca de 1%. "Só em grandes crises, chegava a 2% dos semáforos (de um total de 6 mil)". A assessoria de Haddad lembra ainda que os problemas enfrentados por Doria, como furtos de cabos e manutenção de contratos, também foram enfrentados pela gestão anterior. 

Mais conteúdo sobre:
João Doria Fernando Haddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.