REUTERS/Nacho Doce
REUTERS/Nacho Doce

Doações a moradores de prédio que desabou somam 15 toneladas

Segundo a Cruz Vermelha, 150 voluntários trabalham para selecionar o material

O Estado de S. Paulo

03 Maio 2018 | 22h56

SÃO PAULO - As doações aos moradores do Edifício Wilton Paes de Almeida, que desabou na terça-feira, 1º, após pegar fogo, já somam 15 toneladas, segundo a Cruz Vermelha. A maior parte dos donativos são roupas e alimentos, mas há também fraldas, água e itens de higiene pessoal.

Segundo a Cruz Vermelha, as doações lotam os prédios da instituição e já são suficientes para atender às vítimas do desabamento. O excedente poderá ser destino para outras ações de assistência. Para selecionar o material, 150 voluntários trabalharam nesta quinta-feira, 3.

++ Mais de duzentas pessoas permanecem em praça no Paiçandu

Refeição. O almoço dos moradores desabrigados nesta quinta-feira, 3, foi garantido por uma  instituição beneficente israelita. Uma kombi estacionou na entrada isolada em à frente da Igreja Nossa Senhora do Rosário com 200 marmitas, contendo arroz, feijão, carne e farofa. Também foram  distribuídos 400 kits com leite, pães, frutas e achocolatados. 

Moradores desabrigados pela queda do edifício continuavam ocupando o Largo do Paiçandu, diante da Igreja Nossa Senhora do Rosário, na manhã desta quinta-feira, 3. O movimento estima que 200 pessoas dormiram no local.

++ Curto-circuito no 5º andar deu início ao incêndio no prédio do Largo do Paiçandu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.