Fernando Neves/Brazil Photo Press/Estadão
Fernando Neves/Brazil Photo Press/Estadão

Disputa por ponto de venda de drogas pode ter motivado chacina

Pelo menos duas vítimas tinham passagem pela polícia por tráfico

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

20 Abril 2015 | 13h18

SÃO PAULO  A Polícia Civil investiga se uma disputa por pontos de venda de drogas é o motivo da chacina que matou oito integrantes da Pavilhão 9 dentro da sede da agremiação,  na zona oeste da capital, na noite do último sábado. A principal suspeita é que uma das vítimas estaria envolvida com tráfico de drogas e seria o alvo do ataque.

"Temos uma linha forte que leva ao envolvimento de uma das vítimas com o tráfico de drogas", afirmou o delegado Luiz Fernando Lopes Teixeira,  titular da 3ª delegacia do Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa. "Nesses casos, normalmente nem todos os mortos são os verdadeiros alvos. Infelizmente, quem está junto acaba morrendo também." Entre as vítimas,  pelo menos duas tinham passagem por tráfico. 

Por enquanto a Polícia não confirma que a ordem de execução tenha partido de alguma facção criminosa. Através das investigações com escutas telefônicas e relato de testemunhas, os policiais também chegaram ao apelido de dois suspeitos que poderiam estar envolvidos no crime. Testemunhas falaram em três criminosos, mas Teixeira não descarta a participação de outras pessoas no ataque.

Outra linha de investigação é que uma das vítimas estaria envolvida em um duplo homicídio na cidade de Osasco. "Nós temos essa informação, mas está sendo checada." "A linha mais forte é do tráfico, mas nada está descartado."

O delegado também afirmou que não há indícios de envolvimento dos policiais no crime nem de briga entre as uniformizadas. No clássico do domingo, entre Corinthians e Palmeiras, policiais se infiltraram nas torcidas para tentar levantar informações sobre o caso.

As investigações estão sendo feitas com auxílio do Deic e do Denarc.

Mais conteúdo sobre:
Chacina Pavilhão 9 Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.