Discussão por ciúme termina com morto a facada em Pinheiros

Segundo a Polícia Civil, os agentes teriam percebido um comportamento estranho do preso; outra testemunha, um cozinheiro de 28 anos, também estava no local na hora do crime

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

14 Dezembro 2015 | 09h55

Atualizada às 20h03

SÃO PAULO - O administrador Cristiano Luís Piantela, de 37 anos, foi preso em flagrante após esfaquear e matar o atendente Renan Túbero Martin, de 26, durante uma discussão em um apartamento de Pinheiros, na zona oeste, na manhã deste domingo, 13. Morador de Ribeirão Preto, o suspeito estava hospedado na casa da vítima desde a sexta-feira, 11. O crime teria sido motivado por ciúmes.

Policiais militares foram chamados por volta das 8h para atender uma ocorrência de agressão no apartamento, localizado na Rua Joaquim Antunes, em Pinheiros. Lá, encontraram o corpo do atendente com uma faca cravada no peito.

Segundo a Polícia Civil, os agentes teriam percebido um comportamento estranho de Piantela, que teria demonstrado frieza em relação ao crime. Outra testemunha, um cozinheiro de 28 anos, também estava no local, mas, segundo os policiais, parecia indignado com o assassinato.

O cozinheiro, com quem Martin dividia o apartamento, relatou no 14º Distrito Policial (Pinheiros), onde o caso é investigado, que foi trabalhar à noite em um restaurante, chegou em casa de madrugada e foi direto dormir. Ele disse que não ouviu nenhuma confusão. Por volta das 8h, ele foi acordado por Piantela e encontrou Martin assassinado na sala.

Por sua vez, Piantela afirmou que foi a uma balada com um grupo de amigos e retornou por volta das 7h15. Aos policiais, o suspeito disse que, ao chegar, encontrou Martin ferido e agonizando na sala. Imagens de câmera de segurança, no entanto, mostraram que a vítima só chegou ao apartamento cerca de meia hora depois - o que contradiz a versão apresentado pelo suspeito. Também de acordo com as gravações, nenhuma outra pessoa estranha entrou no local.

Após entrar em contradição, o administrador teria admitido o crime. Ele disse aos policiais que mora em Ribeirão Preto, veio para São Paulo na sexta-feira e ficou hospedado na casa de Martin. O administrador saiu com amigos para uma balada na noite do sábado e consumiu drogas, mas ao voltar para o apartamento Martin não estava.

Quando a vítima chegou, os dois teriam começado uma discussão por ciúme - Piantela achava que Martin havia saído com seu namorado. De acordo com o relato, o atendente teria dado um empurrão nele e ameaçado atirar um copo contra o administrador. Os dois estavam com os ânimos exaltados. Em meio à confusão, o suspeito foi até a cozinha, apanhou uma faca e golpeou a vítima no peito.

Na delegacia, Piantela disse que, ao perceber que havia atacado Martin, tentou reanimá-lo, mas não obteve sucesso. Ele também afirmou que está arrependido de ter cometido o crime e alegou estar sob efeito de drogas.  

A Polícia Civil solicitou exame toxicológico para a vítima, o suspeito e a testemunha. O celular de Piantela foi apreendido para investigação. O caso foi registrado como homicídio qualificado, por motivo torpe. Martin foi enterrado nesta segunda-feira, 14, em São Simão, sua cidade natal, no interior de São Paulo.

 

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Ribeirão Preto Polícia Civil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.