DHPP passou a investigar

Desde abril, o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga todos os casos de resistência seguida de morte no Estado. A medida foi adotada após a morte no cemitério de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo.

O Estado de S.Paulo

27 Dezembro 2011 | 03h03

Conforme os registros da Secretaria da Segurança Pública, em seis meses, até outubro, 207 casos envolvendo policiais civis, militares e guardas-civis foram para averiguação pelo DHPP.

Entre os 129 casos analisados no DHPP até julho, só uma execução, ocorrida dentro de uma viatura da Polícia Militar, em Santo André, resultou em punição, entre supostos casos de resistência seguida de morte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.