Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Detran-SP dá 'puxão de orelha' em Neymar por falta de cinto de segurança

Craque aparece em vídeo no Instagram brincando com amigos no banco de trás: 'antes mesmo do NJr nascer, o equipamento já era exigido pelos franceses'

O Estado de S. Paulo

08 Agosto 2017 | 21h56

O Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran-SP) usou as redes sociais para dar uma "bronca" em Neymar, após o jogador publicar no Instagram um vídeo em que aparece com amigos no banco de trás de um carro sem cinto de segurança. 

"O Neymar Jr. e o bonde do peteleco estão curtindo um belo rolê pela França depois que o craque deixou o FC Barcelona para defender o PSG - Paris Saint-Germain. Os parças reunidos aproveitaram uma viagem de van pra jogar YourShot. Mas... faltou uma coisa: todo mundo sem cinto de segurança", destacou a página do Detran no Facebook. 

Não é a primeira vez que o Detran usa as redes sociais para dar um puxão de orelha em famosos. Em julho, a página questionou de forma bem humorada a postura do cantor Luan Santana ao volante. O músico usava o celular para gravar um vídeo enquanto dirigia. 

A mistura de celular e direção também rendeu uma bronca à apresentadora Angélica, que apareceu em no programa Estrelas, da TV Globo, diringindo e conversando pelo smartphone. E o uso incorreto do cinto pela apresentadora Patricia Abravanel foi criticado pelo órgão no mês passado. 

Na publicação desta terça, o Detran diz que "antes mesmo do NJr nascer, o equipamento já era exigido pelos franceses no banco de trás" e completa: "Imagina só quanto ia custar se o jogador + caro da história do futebol sofresse uma lesão extracampo por “dibrar” o cinto... ?? Menino Ney, a #Copa2018 tá aí e todos nós aqui no Brasil contamos com você, hein? #EhTois".

O jogador não havia respondido à publicação do Detran em suas redes sociais até as 22 horas desta terça. 

Mais conteúdo sobre:
Neymar Detran

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.