Tiago Queirox/Estadão
Tiago Queirox/Estadão

SP prevê 491 desfiles de rua; e folia de 2 mi na 23 de Maio

Desfiles de carnaval se concentram na região oeste; Doria diz que capital deve superar Salvador em breve

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2018 | 13h00
Atualizado 01 Fevereiro 2018 | 00h36

SÃO PAULO - O carnaval de rua de São Paulo terá 491 desfiles oficiais até dia 18, 25% mais do que no ano passado, quando houve 391 desfiles. A estimativa de público é de 4 milhões de pessoas e o destaque deste ano deve ser a passagem pela Avenida 23 de Maio, que deve atrair 2 milhões de foliões em quatro dias. 

+++ Novos blocos 'turbinam' carnaval de rua em SP

A programação foi anunciada nesta quarta-feira, 31, somente dois dias antes do início das atividades, pelo prefeito João Doria (PSDB). Segundo ele, o carnaval de rua paulistano está no páreo para superar “em breve” Salvador no número de foliões. Além disso, estima-se que o comércio e serviços da cidade tenham um faturamento de R$ 500 milhões neste ano. O custo total da organização será de R$ 15 milhões, patrocinados por uma empresa privada. 

+++ Anúncios gigantes em trios de Daniela Mercury e Claudia Leitte são vetados

Os desfiles vão concentrar-se principalmente na zona oeste (183) e no centro (125), embora a capital também ofereça opções nas regiões norte (74), sul (55) e leste (54). Dentre as prefeituras regionais, a da Sé continua a ter a maioria dos desfiles, subindo de 119 para 125, seguida de Pinheiros, que foi de 89 para 101, e Vila Mariana, com aumento de 24 para 43 desfiles. 

+++ Tarado ni Você e Baixo Augusta mesclam festa e ato político

A administração municipal ainda instalará quatro palcos para shows no centro, em Itaquera (zona leste), em Pirituba (norte) e M’Boi Mirim (sul). O principal palco ficará no Vale do Anhangabaú, com apresentações de diversos artistas, incluindo a banda Raça Negra e os cantores Alceu Valença, Baby do Brasil e Moraes Moreira. 

Folia e drones

A programação deste fim de semana traz 187 desfiles, com blocos que devem atrair grande público, como o Bicho Maluco Beleza (do cantor Alceu Valença) e o Monobloco, nas imediações do Parque do Ibirapuera, e o Acadêmicos do Baixo Augusta, na região central. A expectativa é de mais de 100 mil pessoas em cada um. 

Durante a programação, mais de 699 linhas de ônibus terão os trajetos alterados, além de pontos de embarque e desembarque de passageiros. Mais de 3 mil bloqueios serão realizados em vias da capital. 

Na parte de segurança, serão instaladas 34 torres de segurança, que funcionarão juntamente com um sistema de 200 câmeras e drones. Além disso, 10 mil vendedores ambulantes estão cadastrados para participar dos blocos. 

23 de Maio

Uma das principais mudanças deste ano é a inclusão da Avenida 23 de Maio no circuito, entre os Viadutos Santa Generosa e Pedroso. Pelo local devem passar nove blocos de grande porte, como o Chá Rouge, da banda Rouge, e o Bloco Largadinho, da cantora Claudia Leitte, nos dias 11, 12, 13 e 17 de fevereiro. 

Cada dia deve atrair pelo menos 500 mil participantes. “Ela oferece segurança, conforto, funcionalidade, até para a assistência aos foliões, com ambulância, policiamento, carga, descarga e uma área bastante confortável também”, justificou o prefeito. “É uma novidade boa, positiva e eu tenho certeza que vai dar certo.”

Doria não vai, porém, acompanhar o auge do carnaval de rua paulistano. Ele passará a segunda-feira de carnaval no Rio, a convite do prefeito Marcelo Crivella (PRB), e no dia seguinte embarcará para Salvador, onde estará acompanhado do prefeito local ACM Neto (DEM). “São os três maiores carnavais do País (já incluindo São Paulo). E ainda tem o carnaval do Recife, mas, como eu não recebi convite do Recife, fico limitado ao Rio e a Salvador.”

Vila Madalena tem festa restrita

Para conter a aglomeração de foliões na Vila Madalena, bairro da zona oeste, que se tornou um conhecido ponto de atração para festa, a Prefeitura vai criar uma Zona de Atenção Especial (ZAE). Nesse espaço, a circulação de público está restrita a 5 mil pessoas durante o carnaval. O desfile de blocos está proibido no perímetro, que abrange o quadrilátero entre as Ruas Wisard, Girassol, Inácio Pereira da Rocha e Simão Álvares. 

Nessa região, uma equipe de segurança privada não vai permitir a entrada de pessoas e veículos com bebidas alcoólicas. O controle do acesso começará às 11 horas, com a proibição da entrada de pessoas depois das 17 horas. Às 20 horas, os bares da região deverão ser fechados.

Xixi

A gestão municipal ainda reservará 160 agentes para fiscalizar o cumprimento da Lei 57.983/17, a chamada “lei do xixi”, durante o carnaval de rua. Segundo o secretário municipal das Prefeituras Regionais, Claudio Carvalho, 20 equipes com 8 agentes cada estão encarregadas.

Em vigor desde novembro, a multa para quem urinar na via pública é de R$ 500. Indagado se a fiscalização terá resultados, Carvalho garante que “sim”. Segundo ele, a fiscalização começará de forma mais intensa só no carnaval porque os agentes estavam em treinamento.

Gravação

Além dos agentes das prefeituras regionais, as infrações também poderão ser relatas pela Guarda Civil Metropolitana. Para comprovar o descumprimento, os agentes e os guardas poderão utilizar equipamentos eletrônicos que gravem o ato infracional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.