1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Deputados e vereadores defendem veterinário que atende de graça

- Atualizado: 04 Fevereiro 2016 | 11h 55

Conselho Regional, porém, mantém proibição e ameaça fechar a clínica do profissional, que já estuda montar uma ONG

FRANCA - O médico veterinário Ricardo Fehr Camargo ganhou apoio dos políticos e de milhares de pessoas na internet. Ainda assim continua proibido de atender animais gratuitamente em sua clínica na cidade de São Carlos, no interior de São Paulo. O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP) divulgou nota para informar que mantém a proibição, que estaria prevista no Código de Ética da categoria.

O veterinário também pode ter o registro cassado e, para piorar, o órgão ameaça agora fechar sua clínica em 30 dias, porque ela estaria irregular. O assunto virou polêmica após o profissional divulgar um vídeo no qual um fiscal do CRMV vai a seu local de trabalho e informa sobre a proibição de atender de graça. Milhões de pessoas já viram a filmagem e até uma página de defesa do trabalho foi criada nas redes sociais.

Ricardo Fehr foi obrigado a suspender atendimentos gratuitos

Ricardo Fehr foi obrigado a suspender atendimentos gratuitos

Na Câmara Municipal de São Carlos foi aprovada por unanimidade na terça-feira, 2, uma moção de apoio a Fehr, que ao lado de sua mulher - também veterinária -, atendia de graça aos sábados os animais de pessoas carentes. "O serviço prestado é de extrema importância para o município", afirmou o vereador Ronaldo Lopes (PT), autor da propositura.

Nesta quarta-feira, 3, foi a vez de a Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) se colocar a favor do veterinário. O deputado estadual Cauê Macris (PSDB) pediu a convocação do presidente do CRVM, Mario Eduardo Pulga, para dar explicações sobre o ocorrido. "Proibir aqueles que querem ajudar os cães, de maneira gratuita, nos causa estranheza", disse o parlamentar.

 

Após a proibição, o veterinário reclamou, e 60 mil pessoas já constam em um abaixo-assinado online em seu favor. "Eu acho que quem tem que saber se é um serviço de utilidade pública é a população", reclamou o profissional.

Sem volta. Mesmo diante da grande repercussão do caso, o conselho confirmou ter fiscalizado a clínica e que não pretende rever sua posição. De acordo com o órgão, o veterinário deve "seguir toda a legislação pertinente à atuação profissional", que proíbe "a prestação e divulgação de serviços gratuitos".

O CRMV alegou ainda que o estabelecimento estava funcionando sem registro no órgão e que ações de utilidade pública podem ser realizadas somente por organizações não governamentais (ONGs) ou instituições públicas. "Lamentamos que profissionais que estão no mercado desconheçam a legislação."

Saída. Mesmo com a petição na internet que cobra mudanças, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) - maior órgão da categoria no País - informou que as normas do Conselho de Ética não deverão sofrer alteração. De acordo com a entidade, o abaixo-assinado não terá efeito e nem será levado em consideração.

Como alternativa, Fehr já iniciou os preparativos para abrir uma ONG para poder realizar os atendimentos. A instituição está sendo criada com a ajuda de apoiadores, e a expectativa é de que passe a operar nos próximos meses.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX