Claudinho Coradini/Estadão
Claudinho Coradini/Estadão

Depois da seca, rio Piracicaba tem maior vazão do ano

Volume das chuvas trouxe de volta o famoso "véu da noiva", atração da cidade

O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2014 | 13h01

SOROCABA – Depois de quase secar por causa da longa estiagem, o rio Piracicaba atingiu nesta quarta-feira (24) vazão de 356,8 metros cúbicos por segundo, a maior do ano. As águas cobriram totalmente as pedras que estavam à mostra na passagem pela área urbana e despencavam com estrondo no salto de Piracicaba, a principal atração da cidade, voltando a formar o famoso “véu da noiva” com as gotículas em suspensão. “Ter o rio de volta é o melhor presente de Natal que nossa cidade poderia querer”, disse Olásio Cardoso Filho, funcionário do aquário municipal.

Turistas e moradores locais se aglomeravam no mirante e na margem do rio, na Rua do Porto, para apreciar o espetáculo. Muitos usavam a ponte estaiada para tirar fotos da cachoeira. “Os turistas voltaram, mas agora para ver um rio bonito, não mais aquela tragédia do rio seco e de peixes mortos”, observou Cardoso Filho. A vazão recorde foi registrada às 12 horas pela rede de telemetria do Consórcio das Bacias do Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ). Antes, o maior volume de água nesse trecho do rio havia sido registrado no último dia 20, de 214 m3/s, após a volta das chuvas. No dia 11, ainda sob os efeitos da estiagem, a vazão era de 11,6 m3/s.

Um dos mais conhecidos rios do interior, o Piracicaba amargou perdas no volume de água desde janeiro deste ano por causa da estiagem histórica no Estado de São Paulo. Em fevereiro, a baixa vazão combinada com o excesso de poluição causou a morte de 20 toneladas de peixes. De junho a novembro, o rio praticamente secou e o salto de Piracicaba virou uma montanha de pedras. Em outubro, a vazão chegou a 7,6 m3/s – a mais baixa em 50 anos – e o nível da água nos canais mais profundos não passava de 0,60 m. Nesta terça, o nível chegou a 3,64 metros e o rio estava próximo do transbordamento.

Mais conteúdo sobre:
Rio Piracicaba Crise da água

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.