1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Déficit do Sistema Cantareira cresce 71,5% em maio

Fabio Leite - O Estado de S. Paulo

24 Maio 2014 | 03h 00

Estimativa é de que a diferença entre o volume de água que chegou às represas e a quantidade retirada chegue a 46 bilhões de litros

SÃO PAULO - Depois de dois meses consecutivos de queda, o déficit de água do Sistema Cantareira subiu 71,5% em maio, segundo levantamento feito pelo Estado com base nos boletins diários do comitê anticrise que monitora o manancial. Até esta sexta-feira, 23, a diferença entre o volume de água que chegou às quatro principais represas do sistema e a quantidade retirada delas para abastecer a Grande São Paulo e a região de Campinas estava deficitária em 17,75 mil litros por segundo, o que levaria a uma perda de aproximadamente 46 bilhões de litros no mês.

Os dados mostram que, apesar da redução de 28% do volume de água retirado do sistema pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) desde fevereiro, quando a crise foi anunciada pela empresa, o início do período tradicional de estiagem agravou a situação do Cantareira. Conforme o Estado antecipou, maio deve ser o mês mais seco da história do manancial, com uma vazão afluente de apenas 6,2 mil litros por segundo, ou 18% da média histórica do mesmo período.

Para se ter uma ideia, antes da crise, a Sabesp retirava dos Reservatórios Jaguari-Jacareí, em Joanópolis, Cachoeira, em Atibaia, e Atibainha, em Nazaré Paulista, cerca de 30 mil litros por segundo. Agora, a captação está em 20,95 mil litros por segundo. Outros 3 mil litros são liberados para as cidades da região de Campinas. Daí o déficit de 17,75 mil litros por segundo medido neste mês, que só não é maior do que o de fevereiro, quando o saldo negativo ficou em 24,16 mil litros por segundo, ou 56 bilhões de litros.

Em março, o déficit foi reduzido significativamente, para 10,5 mil litros, e, em abril, para 10,35 mil litros por segundo. De acordo com a Sabesp, o resultado foi fruto de uma série de medidas implementadas pela companhia, como o remanejamento de água dos sistemas Alto Tietê e Guarapiranga para bairros da capital atendidos pelo Cantareira. Só isso responde por 47% da diminuição do volume retirado do manancial. Já 28% foi obtido com a redução do consumo pela população, e 25% com "gestão operacional", como a redução da pressão na rede à noite, considerada racionamento noturno por alguns especialistas. A Sabesp nega.

Impasse. Segundo a concessionária, essa redução equivale a um rodízio de 36 horas com água e 72 horas sem água que foi evitado. Mas março e abril registraram uma vazão afluente aos reservatórios duas vezes maior do que a observada até agora em maio. O cenário ainda mais crítico acabou criando uma queda de braço dentro do comitê anticrise, que é formado por técnicos da Sabesp, das bacias hidrográficas da região de Campinas e da Grande São Paulo, da Agência Nacional de Águas (ANA), do governo federal, e do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), do governo paulista.

Enquanto um grupo defende que o volume de água liberado para a Sabesp abastecer a Região Metropolitana seja limitado à vazão afluente ao sistema durante a estiagem, a companhia tenta evitar uma redução tão drástica para não ser obrigada a decretar racionamento de água generalizado. A definição, que estava prevista para a partir do dia 15 de maio, quando a Sabesp iniciou a captação de água do chamado "volume morto" do Cantareira, deve ficar para a próxima semana.

Nesta sexta, o manancial estava com 25,7% da capacidade, segundo a Sabesp, já com o acréscimo dos 182,5 bilhões de litros da reserva profunda. O índice é um ponto porcentual menor do que no dia em que o volume represado abaixo do nível das comportas começou a ser captado. Já para o comitê liderado pela ANA, o índice atual é de 21,7%. A diferença ocorre porque o comitê liderado pela ANA considera que os 182,5 bilhões de litros adicionais também elevam a capacidade máxima do sistema, e a Sabesp, não. Na prática, o volume de água restante nas represas é o mesmo: 252,3 bilhões de litros. Segundo a Sabesp, a quantidade é suficiente para garantir o abastecimento até o "início das próximas chuvas", que normalmente ocorrem em outubro.

‘Volume morto’. Oito dias após ser acionada pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), a captação inédita da água represada abaixo do nível das comportas estava paralisada nesta sexta, na Represa Jacareí, em Joanópolis. Segundo a Sabesp, as bombas "permanecem desligadas nos momentos em que não há necessidade de bombear a água".

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo