Reprodução
Reprodução

Defesa de acusado de matar estudante Bianca Ribeiro Consoli pede habeas corpus

Sandro Dota está preso preventivamente desde 13 de dezembro

Juliane Freitas, do estadão.com.br

17 Dezembro 2011 | 13h48

A defesa do motoboy Sandro Dota, acusado de matar a estudante Bianca Ribeiro Consoli, em setembro deste ano, entrou com pedido de habeas corpus na última sexta-feira, 16, junto ao Tribunal de Justiça.

 

Sandro Dota foi preso preventivamente em 13 de dezembro, a pedido do Departamento de Homicídios e Proteção à pessoa (DHPP) da Polícia Civil, que investiga o crime há três meses, após ser considerado o principal suspeito pelo assassinato da cunhada, de 19 anos.

 

A jovem foi encontrada morta em sua casa, no bairro Parque São Rafael, zona leste de São Paulo. O corpo tinha sinais de estrangulamento e uma sacola plástica encontrada em sua boca foi usada para asfixiá-la. Amostras de DNA comprovaram que resquícios de pele sob as unhas de Bianca eram compatíveis com as amostras sanguíneas presentes na roupa de Sandro Dota, que é marido da irmã da vítima, no dia da morte, indicando confronto corporal.

 

"Não tenho dúvida de que o autor do homicídio é Sandro. Todo o álibi dele, de que não estava no local do crime, de que se machucou quando foi ver uma obra, caiu por terra. Tudo é mentira. Foi em uma luta corporal com a vítima", disse o diretor do DHPP, Jorge Carrasco, ao repórter do Estado Felipe Frazão. Para o diretor, o caso está encerrado.

 

Sandro Dota alega inocência. Seu advogado, Ricardo Martins, alegou não poder prever quando o pedido de liberdade será analisado, por conta do recesso de fim de ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.