De cada dez soropositivas, uma é prostituta

Especialistas temem impacto da proibição feita na semana passada à campanha de prevenção

LÍGIA FORMENTI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

09 Junho 2013 | 02h02

Uma em cada dez brasileiras contaminadas por HIV, o vírus causador da aids, é prostituta. Desde o início da epidemia no País, o grupo apresenta uma alta taxa de prevalência da doença: cerca de oito vezes maior do que entre a população em geral.

Embora seja apenas uma estimativa, os números demonstram as razões da preocupação de especialistas com o impacto da proibição feita na semana passada pelo Ministério da Saúde de campanhas de prevenção com linguagem que vai além do "use preservativo".

"Prevenção é muito mais do que isso", diz a diretora da Coordenação do Programa Estadual de DST/Aids, Maria Clara Gianna. E ela já avisa: materiais voltados para população específica, com linguagem própria e procurando ressaltar a autoestima, vão continuar. "Esse sempre foi o modelo usado no País. Ele é bem-sucedido e não há razões para querer alterá-lo", diz.

Maria Clara conta que nesta semana comunicado de outros programas locais de prevenção de DST/aids deverá ser encaminhado ao Ministério da Saúde para defender a estratégia até agora usada. Ela diz ter ficado surpresa com a decisão do ministério de censurar a peça "Sou feliz sendo prostituta".

Mensagem. O material, divulgado pelo Estado, foi suspenso pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha, três dias depois de ser lançado. Como justificativa, ele afirmou que a peça não trazia mensagem de prevenção. "Esse não foi o primeiro material produzido com essa abordagem. Não são raras as mobilizações feitas com a participação de grupos específicos", diz Maria Clara.

O pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) Alexandre Grangeiro diz temer o impacto da reação do ministério. "O veto sinaliza para a sociedade que o governo brasileiro está se filiando a uma estratégia contrária ao reconhecimento da prostituição como profissão. Isso acaba jogando o grupo à clandestinidade, o que as torna ainda mais suscetíveis à violência."

Conhecimento. Grangeiro afirma haver um escasso conhecimento sobre a epidemia de aids entre as profissionais do sexo. "Ser soropositiva pode representar ficar sem trabalho. Há uma pressão para que elas deixem a atividade nessas condições", diz.

O preconceito afasta as prostitutas dos centros de saúde. "O maior desejo delas é serem reconhecidas." A estimativa é de que a prevalência de aids entre prostitutas seja de 6%. Na população em geral é de 0,56%. "Desde o início da epidemia, o grupo se mostrou vulnerável. Algo que nunca caiu e que apresenta agora tendência de agravamento", diz Grangeiro. "Os números poderiam ser maiores. Os indicadores mostram ser necessário um reforço maior do que já vem sendo feito."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.