Cristo vai ficar escondido nos próximos 2 meses

Cristo vai ficar escondido nos próximos 2 meses

Estátua está sendo restaurada e ficará totalmente coberta por andaimes e por uma tela protetora; turistas estão decepcionados

Bruno Boghossian, O Estadao de S.Paulo

01 Abril 2010 | 00h00

/ RIO

Pelos próximos dois meses, será impossível ver a estátua do Cristo Redentor, no alto dos 709 metros do Morro do Corcovado. Envolto por uma estrutura metálica há mais de três semanas, um dos monumentos mais famosos do mundo começou a ser coberto por uma tela protetora para o trabalho de restauração de sua superfície, desgastada por chuva, vento e raios. A manta, que ostenta a imagem da estátua em tamanho real, só será retirada em junho.

Por baixo dos panos, operários fazem um levantamento de cada metro quadrado da superfície do monumento, coletam amostras e mapeiam as falhas provocada por fenômenos atmosféricos em seus 78 anos de existência. Com martelos de borracha, dois homens sobem e descem as escadas armadas em torno da estátua para procurar pontos ocos, que correm risco de se soltar. Sobre o braço direito da estátua, eles trabalham na recuperação das pontas dos dedos, que se projetam sobre um penhasco. "O mais complicado é vencer a altura e o vento", diz o arquiteto Diogo Caprio.

Medicina. Aos pés do monumento, a empresa responsável pela obra testa substâncias que serão usadas na limpeza de manchas da superfície. Um trabalho minucioso de restauração dos cerca de 1,5 milhão de pastilhas de pedra-sabão que revestem a estátua, com um cuidado inspirado na medicina.

"Costumamos dizer que somos médicos das obras de arte, e usamos termos da medicina e da odontologia para identificar esse processo de recuperação dos monumentos", diz a arquiteta Márcia Braga. Ela já participou de outros dois processos de restauração do Cristo e garante que conhece cada canto da estátua e todas as "patologias" que provocaram falhas em sua superfície.

O tempo deixou marcas principalmente nos braços e no rosto do Cristo Redentor. Faltam pedaços nas pontas dos dedos das mãos, na cabeça e nos supercílios, rachados por raios que atingem principalmente as extremidades da estátua. "Por causa das intempéries, as pastilhas que cobrem o monumento estão sendo arrancadas. Havia a necessidade de fazer um restauro amplo e uma obra de impermeabilização do Redentor", avalia o arcebispo do Rio, d. Orani Tempesta.

Frustração. Parte dos turistas, no entanto, não fica muito satisfeita ao descobrir que o maior cartão-postal do Rio está coberto por andaimes e, agora, por uma tela. Os guias contam que muitos estrangeiros só ficam sabendo das obras ao chegar à cidade e não têm mais tempo de mudar o itinerário. A alemã Sabine Walter, que visita o Brasil pela primeira vez, lamentou ter perdido a oportunidade de admirar a estátua. "Fiquei um pouco decepcionada quando soube, mas decidi vir para, pelo menos, aproveitar a vista da cidade."

CRONOLOGIA

1922

Lançada a pedra fundamental do monumento

1931

Inauguração da estátua, após cinco anos de obras

1980

Obras de recuperação para a visita do papa João Paulo II

1990 e 2000

Novos trabalhos de restauração do monumento

2007

Eleito uma das sete novas maravilhas do mundo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.