Cristina Mortágua é presa ao agredir delegada no Rio

A ex-modelo Cristina Mortágua, que teve um filho com o ex-jogador Edmundo, foi presa em flagrante ontem, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, após agredir uma delegada. Ela é acusada de desacato, resistência e injúria. Segundo a polícia, ela foi acompanhar o filho de 16 anos à 16.ª DP. Ele queria prestar queixa contra a mãe por agressão.

Solange Spigliatti, O Estado de S.Paulo

08 Fevereiro 2011 | 00h00

Durante depoimento à delegada de plantão Daniela Rebello, o jovem mostrou uma sacola cheia de medicamentos, que segundo ele eram diluídos por Cristina e autoaplicados na veia.

Enquanto ele prestava queixa, Cristina jogou um aparelho celular na cabeça do adolescente e foi retirada da delegacia. A delegada acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para tentar acalmar a ex-modelo. Segundo a polícia, neste momento ela passou a gritar dizendo que não seria atendida e por fim tentou se jogar na frente dos carros que passavam.

A ex-modelo voltou para o interior da delegacia e foi avisada pela delegada que representantes do Conselho Tutelar estavam a caminho. Mais nervosa ainda, Cristina passou a xingar e a agredir os policiais e deu uma "joelhada" no abdômen da delegada. Ela foi presa em flagrante por desacato, resistência e injúria. A fiança, estipulada em R$ 3 mil, ainda não havia sido paga até as 17 horas de ontem.

Histórico. Na década de 1990, a ex-modelo teve um filho com o jogador de futebol Edmundo, então atacante do Palmeiras. No início de março de 2010, vídeos e fotos de um ensaio sensual de Cristina com o filho, então com 15 anos, circularam pela internet. Em uma delas, a ex-modelo beijava o filho na boca. Em outra, estava de topless abraçada ao jovem. Na ocasião, Edmundo a criticou por expor o garoto.

Por conta do ensaio, Cristina foi processada por incesto e pedofilia na Vara da Infância e Juventude do Rio de Janeiro. Na ocasião, a Justiça determinou a retirada do ar de todas as fotos do ensaio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.