Google Street View/Reprodução
Google Street View/Reprodução

Criança de 4 anos morre após cair de prédio na zona sul de SP

Menina caiu da janela basculante do banheiro, a única que não tinha rede de proteção, no 20º andar de um edifício na região de Interlagos

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

26 Dezembro 2016 | 12h40

Correções: 26/12/2016 | 22h31

SÃO PAULO - Uma menina de 4 anos morreu após cair do 20º andar de um prédio na região de Interlagos, na zona sul da capital paulista, na manhã desta segunda-feira, 26.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o caso aconteceu por volta das 10h40, em um edifício localizado na Avenida João Peixoto Viegas. Quando a ambulância chegou ao local, a criança já havia morrido, segundo afirma o Corpo de Bombeiros. A perícia foi feita no local. 

O caso foi registrado no 80º Distrito Policial (Vila Joaniza) como queda acidental. Segundo o delegado Pedro Luís de Souza, a família - de um contador e uma dona de casa - faria uma mudança do apartamento nesta segunda. Os móveis estavam embalados. O pai trabalhava e a mãe estava em casa só com a filha, Ana Júlia Oliveira Veiga.

Ela precisava descer para a administração do prédio resolver as últimas pendências da mudança e chamou Ana Júlia para ir junto. Mas a menina preferiu ficar no apartamento brincando com os presentes que recebeu no Natal. A mãe, então, foi sozinha.

Segundo Souza, o apartamento tem grade de proteção em todas as janelas, menos no banheiro, onde há uma janela basculante. "A criança foi ao banheiro para olhar e ver se a mãe estava voltando. Subiu no vaso e na pia. Só que a janela é basculante, mas não tem o limitador de abertura. Quando a criança pôs a mão para tentar olhar para baixo, a janela basculou para fora e a criança caiu", afirma o delegado.

Na queda, Ana Júlia bateu na janela de um dos apartamentos. Uma vizinha escutou o "barulho forte" e telefonou ao zelador. Foi ele quem encontrou o corpo da menina. De acordo com o delegado, a mãe está em estado de choque. 

Correções
26/12/2016 | 22h31

A polícia havia informado erroneamente que a criança tinha 6 anos.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.