Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Corregedoria vai apurar caso de travesti agredida em São Paulo

São Paulo

Divulgação

Corregedoria vai apurar caso de travesti agredida em São Paulo

Verônica Bolina, de 25 anos, foi fotografada com o rosto desfigurado e com os seios à mostra no 2º Distrito Policial (Bom Retiro)

0

Felipe Resk ,
O Estado de S. Paulo

16 Abril 2015 | 17h13

SÃO PAULO - A Corregedoria da Polícia Civil abriu inquérito para investigar o caso da travesti Verônica Bolina, de 25 anos, fotografada com o rosto desfigurado e com os seios à mostra no 2º Distrito Policial (Bom Retiro), região central de São Paulo, onde foi presa na última sexta-feira, 10. Ela também é acusada de morder e arrancar parte da orelha de um carcereiro. 

As imagens que expõem Verônica com várias marcas de agressões no rosto, sem camisa e com o cabelo curto causaram comoção nas redes sociais e os ativistas LGBT lançaram a campanha #somostodasVerônica. Em uma das fotos, ela aparece com as mãos e os pés algemados, deitada de bruços e com a parte de trás da calça rasgada. Militantes acusaram os policiais de terem torturado e humilhado a travesti dentro da delegacia .

Segundo a Polícia Civil, Verônica teria provocado revolta de outros presos após expor seu órgão sexual e começar a se masturbar dentro da carceragem do 2º DP, na manhã de domingo, 12. Para conter a situação, um dos carcereiros teria entrado na cela para retirá-la. A travesti teria, então,  atacado o agente e mordido sua orelha direita. Houve luta corporal entre os dois e um policial precisou atirar três vezes para tentar conter a confusão. Ninguém foi atingido.

O delegado Luiz Roberto Hellmeister, titular do 2º DP, confirma que Verônica teria se machucado durante o confronto com o agente de segurança, mas também diz que algumas marcas foram provocadas por uma confusão em que a travesti se envolveu antes de chegar à delegacia. Ela foi presa e indiciada por tentar matar uma senhora de 73 anos na região da Bela Vista.

Em uma entrevista gravada pela coordenadora de Políticas para a Diversidade Sexual do Estado de São Paulo, Heloísa Alves, Verônica afirma que estava "possuída" e que não foi torturada pelos policiais. 

"Todo mundo está achando que eu fui torturada pela polícia, mas eu não fui. Eu simplesmente agi de uma maneira que achava que estava possuída, agredi os policiais. Eles só agiram com o trabalho deles", disse.

Hellmeister também afirmou que Verônica poderia solicitar uma sala separada dos outros presos, mas não fez o pedido. Em nota, a Secretaria de Segurança Pública informou que a travesti já chegou à delegacia com os cabelos curtos, "pois costumava usar peruca antes de ser presa".  Ela deve ser transferida para uma unidade penitenciária masculina de São Paulo.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.