Construção do complexo foi cancelada

O mercado de flores na Vila Leopoldina, anunciado em 2007 pela SPTuris

, O Estado de S.Paulo

29 Abril 2010 | 00h00

Em 2007, a São Paulo Turismo (SPTuris), empresa ligada à Prefeitura, anunciou a construção de um mercado de flores na frente da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), na Vila Leopoldina. O espaço ocuparia um terreno de 70 mil metros quadrados e abrigaria lojas, restaurantes, bares, livrarias. Na época, a SPTuris prometeu o complexo para outubro de 2008. O investimento previsto era de R$ 17 milhões, que seria captado por meio de investidores. Vendedores de plantas se empolgaram com a iniciativa, que tinha como um de seus objetivos atender à demanda reprimida no Ceagesp. Para se ter ideia, no ano passado, 48 mil toneladas de flores circularam pela área, onde 1.100 comerciantes as negociam. Isso porque a feira de flores do Ceagesp (foto) só é feita duas vezes por semana.

Mas empresários do setor não têm mais com o que se empolgar. Após atrasos iniciais (a primeira licitação da obra foi cancelada porque a empresa ganhadora não estava com os documentos em dia), o projeto não desabrochou. O motivo, segundo a SPTuris: em 2008, a Companhia Paulista de Transportes Metropolitanos (CPTM), dona do terreno que seria usado e parceira na empreitada, enviou uma carta dizendo que não tinha mais interesse no complexo e pediu a área de volta. / FILIPE VILICIC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.