1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Conselho proíbe veterinário de atender cães de graça

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 16h 57

Médico fazia atendimento de animais de pessoas carentes em sua clínica; para entidade, ação contraria conselho de ética

Ricardo Fehr foi obrigado a suspender atendimentos gratuitos

Ricardo Fehr foi obrigado a suspender atendimentos gratuitos

SOROCABA - O médico veterinário Ricardo Fehr Camargo, de 39 anos, foi obrigado a suspender os mutirões de atendimento gratuito que dava todo sábado a cães e gatos de pessoas carentes em sua clínica, em São Carlos, interior de São Paulo. O Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV-SP) o advertiu que a ação beneficente contraria o código de ética da profissão e o ameaçou com sanções. Ele será processado e pode até perder o registro profissional. Como Camargo não possui uma ONG ou entidade semelhante, o atendimento não é considerado de utilidade pública perante o regulamento da classe.

Inconformado, Camargo postou nas redes sociais um vídeo gravado no momento em que ele foi abordado pela fiscal do CRMV. Ela fez várias advertências e entregou a ele um código de ética. A postagem 'viralizou' e chegava a 6 milhões de acessos na tarde desta terça-feira, 2. “Quando a fiscal chegou, pensávamos que ela ia nos dar um prêmio pelo nosso trabalho”, contou a mulher do veterinário, Aline Garcia Pereira, bióloga e doutora em Ciências.

 

Aline ajudava o marido nos mutirões que atendiam média de 30 animais por sábado. “Atendíamos das 9 da manhã às 8 da noite com toda a atenção, como se fosse uma consulta particular.” Segundo ela, durante a semana era feita uma triagem para ver a gravidade e se os donos do animal não tinham condições de pagar. Anteriormente, o casal realizava mutirões em bairros carentes. “A gente armava uma tenda e havia até fila, mas alguém alertou que não poderíamos atender em espaços abertos, por isso mudamos para a clínica”, contou Aline.

Ativistas postaram uma petição pública em rede social pedindo que o CRMV libere os veterinários autônomos para dar atendimento gratuito a animais de pessoas carentes, já que esse serviço não é oferecido pelo governo. Até a tarde, 28,5 mil pessoas tinham assinado. Para o ativista Maurício Varallo, da ONG Olhar Animal, a invocação do código de ética pelo Conselho para vetar a ação de veterinários é absurda. “E a ética na relação com o público e, principalmente, com os animais?”, indagou. Segundo ele, a questão é de reserva de mercado e de faturar com a doença. Varallo lembra que, em Santa Catarina, a Justiça entendeu como ilegal uma ação do CRMV daquele Estado que vedava mutirões gratuitos.

Processo. O Conselho Regional de Medicina Veterinária de São Paulo (CFMV-SP) informou em nota que o profissional foi autuado e tem 30 dias para regularizar sua situação antes de receber qualquer multa. O caso será analisado e poderá ser instaurado processo ético profissional contra Camargo. As penalidades vão desde advertência confidencial até a cassação do registro profissional. De acordo com o CRMV, a clínica está irregular por não ter registro no órgão e ele não poderia sem sequer atender regularmente. Para atender gratuitamente, o médico veterinário precisa ainda estar vinculado a uma sociedade civil, entidade, ONG ou instituição de utilidade pública.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX