Daryan Dornelles/Divulgação
Daryan Dornelles/Divulgação

Confirmado pela Prefeitura de SP, Luiz Melodia nega show no réveillon

Ao contrário do que divulgou a Secretaria Municipal de Cultura, a SPTuris, empresa municipal de turismo e eventos da Prefeitura, informou que shows não estão confirmados e que contratos com artistas ainda não foram fechados

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2015 | 18h35

O cantor e compositor Luiz Melodia publicou uma nota na tarde desta segunda-feira, 21, negando participação na festa de réveillon na Avenida Paulista. Após ter sido confirmado pela Prefeitura de São Paulo no último dia 17, a assessoria de imprensa de Melodia comunicou, na sua página oficial do Facebook, que a informação não procede.

“A Prefeitura de São Paulo está anunciando a participação do cantor Luiz Melodia, no show da banda Glória na Av. Paulista no projeto Virada SP, isso não procede. O próximo show do artista acontecerá no dia 05/01/2016 no Rio de Janeiro”, informou. Por telefone, a assessoria  informou que a Prefeitura não chegou a procurar o artista.

Procurado, o secretário municipal da Cultura, Nabil Bonduki, disse que a responsabilidade dos shows é da São Paulo Turismo (SPTuris), empresa municipal de turismo e eventos da Prefeitura. Bonduki divulgou a programação na semana passada, que incluía cinco shows: Banda Deja Vu (19h30), Chiclete com Banana (20h40), Criolo (22h), Marcos e Belluti (23h30), Banda Glória com Maria Alcina e Luiz Melodia (1h).

A SPTuris, por sua vez, informou que não pode confirmar os shows porque os contratos ainda não foram fechados. O show de Criolo também não foi confirmado. A divulgação completa da programação, segundo a empresa, deve ocorrer até a próxima quarta-feira, 23, a dez dias do Réveillon. 

A Prefeitura de São Paulo não se manifestou oficialmente até 18h30 desta segunda. 

Palco menor. Com recursos escassos e palco reduzido, a festa da virada de ano terá patrocínio privado de R$ 1 milhão e até R$ 2 milhões da administração municipal, o que totaliza R$ 3 milhões. O custo médio das últimas viradas de ano, bancadas pelo setor privado, foi de R$ 5 milhões.

Diferentemente dos últimos anos, o palco será montado 300 metros na Paulista após o cruzamento com a Avenida Brigadeiro Luís Antônio e bloqueará um lado da Avenida, no sentido Consolação. A estrutura não será suspensa, como nos outros anos. Isso porque, para a montagem do palco aéreo, segundo a Prefeitura, seria necessário colocar uma viga sobre a ciclovia.

Na virada de 2013 para 2014, a Prefeitura estima que cerca de 2 milhões de pessoas participaram do réveillon na Avenida Paulista. O retorno do evento foi de pelo menos R$50 milhões. De 2014 para 2015, também com estimativas de 2 milhões de visitantes, o valor arrecadado com o turismo foi de R$ 60,5 milhões.

Haddad afirmou que o palco será menor em relação aos anos anteriores porque é mais barato e rápido de montar e desmontar. Segundo ele, o custo estimado para o palco deste ano é de até R$ 300 mil. O Estado apurou que o palco suspenso, estrutura tradicional das festas anteriores, custava em torno de R$700 mil.

"Vai ser um palco diferente dos anos anteriores, que eu acho até mais conveniente. Porque para montar e desmontar aquele palco era um transtorno e muito caro. Este você monta e desmonta com poucos dias de transtorno e consegue fazer isso sem prejudicar a mobilidade", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.