Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Concentração de usuários na cracolândia quase dobra em um mês

No início de julho, Prefeitura dizia que "fluxo" não ultrapassava 300 dependentes químicos, mas cálculos mais recentes da gestão apontam que número varia entre 500 e 600 pessoas

Felipe Resk, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2017 | 03h00

A concentração de usuários de drogas na Cracolândia, no centro de São Paulo, praticamente dobrou no último mês. Se no início de julho a Prefeitura dizia que o “fluxo” não ultrapassava 300 dependentes químicos, os cálculos mais recentes da gestão João Doria (PSDB) apontam que, hoje, esse número varia entre 500 e 600 pessoas. A Prefeitura diz que o número é flutuante e há “um trabalho coordenado e integrado para ampliar a oferta de atendimento aos dependentes”.

Hoje, o “fluxo” está instalado nas proximidades da Praça Júlio Prestes e é monitorado pela Prefeitura, que faz a contagem por fotos e com um aplicativo que calcula multidões. Os usuários estão lá desde que deixaram a Praça Princesa Isabel, onde ficaram por um mês, após a operação policial que prendeu traficantes e desmontou a “feira de drogas”.

Antes da operação, o “fluxo” era maior e ocupava a quadra da Alameda Dino Bueno, entre a Glete e a Helvétia. Segundo a Prefeitura, uma pesquisa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e do Programa das Nações Unidas (Pnud) contou 1.861 frequentadores por dia, em média, em janeiro. Mesmo na Princesa Isabel, o número chegava a 900 à noite.

Mas o novo aumento preocupa comerciantes e acontece apesar do trabalho de equipes de assistência social e de saúde, que convenceram 1.196 usuários a se internar, entre 21 de maio e 30 de julho. “Tem mais gente chegando do que saindo”, afirma o vendedor Daniel Souza, de 60 anos.

No domingo, 6, o Estado foi à região e viu que havia mais pessoas do que no dia 22 de junho, quando os usuários migraram para Júlio Prestes. Também constatou a presença de cinco barracas e a oferta de crack na rua.

Em nota, a Prefeitura diz que “é equivocado” fazer avaliação “com base em observações aleatórias ou mesmo atendo-se somente ao número flutuante de pessoas”. Segundo a gestão, equipes de assistência social fizeram 111.085 abordagens de rua, enquanto profissionais de saúde já realizaram mais de 18,4 mil atendimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.