Começa julgamento de Marcola em São Paulo

Suposto líder do PCC, ele é acusado de ser mandante do assassinato de juiz de Presidente Prudente

Priscila Trindade, Central de Notícias

11 Novembro 2009 | 15h10

O julgamento de Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, começou por volta das 14h10 desta quarta-feira, 10, no Fórum da Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Os nomes dos sete jurados já foram sorteados. Marcola, apontado como líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), é suspeito de ser o mandante da morte do juiz-corregedor de Presidente Prudente, Antônio José Machado Dias, assassinado no dia 14 de março de 2003, quando saía do fórum.

 

Veja também:

especial ESPECIAL: São Paulo refém do crime

 

O Ministério Público Estadual (MPE) espera que Marcola receba a pena máxima pelo crime - 30 anos. Um bilhete escrito por Rogério Geremias de Simone, o Gegê do Mangue, é uma das principais provas contra o criminoso. Além disso, o promotor Carlos Roberto Marangoni Talarico conta com depoimentos de antigos integrantes do PCC que acusam Marcola. "A prova é mais do que suficiente para condenar", disse.

 

Adiamento

 

A defesa de Marcola adiou o julgamento, que deveria ter ocorrido em outubro, após alegar que não teve acesso a todos os documentos do processo. O advogado Roberto Parentoni abandonou o júri depois de ter seis pedidos de adiamento da sessão negados pelo juiz Alberto Anderson Filho. Júlio César Guedes de Moraes, o Carambola, que também seria integrante do PCC, foi condenado a 29 anos de prisão, pelo mesmo crime, no mês passado. O julgamento dele durou cerca de 14 horas.

Mais conteúdo sobre:
PCC Marcola trafico crime organizado SP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.