Com reforço de PMs, festa tem furtos e seis detidos por ato obsceno

Também não faltaram flagrantes de venda de vinho químico, vodca e outras bebidas e relato de arrastão na Roosevelt

O Estado de S.Paulo

03 Junho 2013 | 02h01

Em uma Parada Gay superpoliciada, com 2,5 mil policiais militares e centenas de guardas-civis metropolitanos, até as 21 horas havia apenas alguns relatos de furtos, seis detidos por ato obsceno - após serem flagrados urinando na rua - e uma pessoa levada à delegacia por uso indevido de farda - vestia um uniforme dos bombeiros.

Havia relato também de um arrastão na Praça Roosevelt: sete homens teriam praticado uma série de assaltos na altura da Rua da Consolação. Mas a informação não foi confirmada pela polícia. A corporação afirma que fez 2.179 abordagens durante o evento.

Na frente do camarote da Prefeitura, na Avenida Paulista, José Fernando Souza, de 43 anos, teve sua máquina fotográfica furtada. O crime aconteceu ao lado de uma base da polícia. "Os criminosos estavam em dois. Um jogou xampu na minha calca e saiu. O amigo dele se ofereceu para ajudar e tinha papel higiênico na mão, pronto para limpar. Ele não era brasileiro, falava espanhol. Fiquei distraído e pegaram a máquina na minha mochila", relatou.

A reportagem flagrou vários adolescentes alcoolizados, passando mal ou desmaiados. No total, 132 pessoas foram atendidas nos postos médicos.

A venda indiscriminado de vinho químico chamou a atenção de uma apresentadora sobre um dos trios elétricos. "Quem bebe vinho químico não chega ao final da festa. E nós ainda queremos fazer sexo com camisinha após o fim da parada", disse no microfone.

'Garçons'. Três garrafas de vinho químico eram vendidas por R$ 10. Os vendedores de bebidas utilizavam bandejas, como se fossem garçons, para negociar copos com bebidas destiladas, como vodca e uísque.

A fiscalização apreendeu 1.837 garrafas de bebida e 12 isopores. Aparentemente alcoolizado, um homem escalou um poste de luz de cerca de dez metros de altura na Avenida Paulista e acabou detido. Quem precisou ir ao banheiro enfrentou filas para utilizar as cabines químicas. Donos de estacionamento alugavam banheiros por R$ 2. / A.R., B.P.M e B.F.S.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.