Cinco perguntas para...

, O Estado de S.Paulo

14 Abril 2010 | 00h00

Sérgio Fukushima

GERENTE TÉCNICO DA AMÉRICA DO SUL DA AXIS, EMPRESA DE CÂMERAS

1.Hoje começa a 5ª Feira e Conferência Internacional de Segurança Eletrônica, que ocupa o Expo Center Norte até sexta. Quais são as novidades para o setor?

A aposta para as grandes cidades, como São Paulo, é a tecnologia. Há, por exemplo, câmeras modernas que até detectam atitudes suspeitas.

2.No futuro, metrópoles viverão um grande Big Brother?

Hoje, a pessoa já é muito monitorada. No elevador, na rua. E isso se intensificará. É incômodo, só que vale a pena.

3.Em São Paulo, prevalece a insegurança?

Depende onde. Há bairros com ruas bem vigiadas, cheias de câmeras e de seguranças. Caso do Morumbi.

4.Isso não elitiza, com bolsões isolados de segurança?

Encher uma área de câmeras diminui a criminalidade na região. Mas os roubos migram para outro local. É o preço que se paga.

5. E como se portar nas ruas, fora dos prédios monitorados?

É preciso estar atento, não ostentar, evitar bairros perigosos. Porém, a verdade é que o ideal seria investir em educação para diminuir a criminalidade na sociedade. As pessoas têm de parar de pensar "se o outro tem e não posso ter, vou tomar dele". Essa é uma atitude que vem do berço do brasileiro. / FILIPE VILICIC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.