Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Chuvas aliviam crise hídrica no interior do Estado de São Paulo

São Paulo

Chuvas aliviam crise hídrica no interior do Estado de São Paulo

Em Itu, município que está sob racionamento, moradores foram às ruas coletar água que caiu; nível do Rio Sorocaba aumentou

0

José Maria Tomazela,
O Estado de S. Paulo

03 Setembro 2014 | 08h52

Atualizada às 16h

SOROCABA - As chuvas que atingiram o Estado de São Paulo entre a noite de terça-feira e a madrugada desta quarta-feira, 3, amenizaram os efeitos da seca e trouxeram alívio para cidades com abastecimento em risco. O Sistema Cantareira, que abastece grande parte da Região Metropolitana de São Paulo pela primeira vez nas últimas semanas manteve o nível estável. O sistema operava com 10,7% da capacidade na medição feita às 9 horas da manhã, o mesmo nível do dia anterior, interrompendo uma sequência de vazões negativas - maior saída de água do que entrada nos reservatórios.

As chuvas repuseram cerca de 19 metros cúbicos por segundo retirados no período para o abastecimento de regiões da capital e da Grande São Paulo. O tempo continuava instável e havia expectativa de mais chuva nas cabeceiras dos rios formadores dos reservatórios do Cantareira. 

Em Campinas, a vazão do Rio Atibaia, que abastece 95% dos 1,1 milhão de habitantes, subiu de 4,80 metros cúbicos por segundo, na terça-feira, para 13,0 m3/s nesta quarta em razão das chuvas fortes que caíram na cabeceira. O aumento de 190% na vazão fez com que o presidente da Sanasa, companhia de saneamento da cidade, Arly de Lara Romêo, cancelasse compromissos para ver de perto a situação do rio. "Setembro mal começou e já recebemos essa bênção", comentou. 

Já o Rio Piracicaba, na região que corta a cidade do mesmo nome, teve a vazão aumentada de 10,3 m3/s para 51,0 m3/s na medição feita às 14 horas desta quarta-feira pela rede de telemetria do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). As águas voltaram a correr onde antes só se viam pedras no salto de Piracicaba, cartão postal da cidade. No Rio Corumbataí, que abastece a cidade, a vazão subiu de 4 m3/s para 11,3 m3/s.

As chuvas devolveram as águas também ao Ribeirão das Conchas, usado para o abastecimento de Pereiras, região de Sorocaba. Com o rio seco, a captação está suspensa há seis meses e a cidade é abastecida com água de poços. A chuva que inundou a calha tomada pelo mato ainda é insuficiente para o abastecimento, mas garante água para o gado. 

Em Itu, com racionamento drástico desde o início de fevereiro, moradores dos bairros Novo Itu e Cidade Nova foram à rua pegar a água da chuva com baldes. A comerciante Rosângela Andrade garantiu mais de cem litros para arrumar a cozinha e lavar o banheiro. Ela está sem água nas torneiras há uma semana. A empresa Águas de Itu informou que são necessárias mais chuvas para equilibrar o abastecimento. O tempo voltou a abrir à tarde na região.

Nas áreas agrícolas do interior, agricultores ganharam ânimo para iniciar o plantio de verão. Em Itapeva, segundo o engenheiro agrônomo Vandir Daniel da Silva, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado, a chuva da noite chegou a acumular 40 milímetros, favorecendo o preparo da terra para o plantio da soja, cuja semeadura começa no dia 15 próximo. As chuvas beneficiaram lavouras de feijão que estão em fase de florescimento.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.