Chuva diminui no dia mais frio do ano da Baixada Santista

De acordo com Defesa Civil, 17 morros de Santos estão em estado de atenção; um terço da cidade de Mongaguá continua alagada

Rejane Lima, de O Estado de S. Paulo

07 Abril 2010 | 16h41

Assim como a chuva, os transtornos causados pelas tempestades que atingiram à Baixada Santista desde domingo diminuíram nesta quarta-feira, quando a região registrou a temperatura mais baixa do ano. A Base Aérea de Santos, no Guarujá, registrou 17.7 graus às 6 da manhã.

 

Entretanto, o volume de água que caiu chama a atenção: foram 311,2 milímetros de água nas últimas 72 horas. "A situação está sob controle e não houve nenhum deslizamento de terra de grande porte, mas o volume de água que caiu é muito alto", afirmou o Chefe da Defesa Civil de Santos, Emerson Marçal, completando que, por isso, os 17 morros da cidade permanecem em estado de atenção.

 

A cidade registra 78 ocorrências, sendo 37 de deslizamento de terra, mas não há registro de feridos ou casas destruídas. "Cinco famílias deixaram suas casas por correrem risco, mas eles pagavam aluguel e já se acertaram, alugaram outras casas ou foram para casas de parentes". Além das 24 pessoas dessas famílias, quatro oficinas e um templo religioso foi interditado na mesma região, no Morro do Pacheco, por ser considerado área de risco.

 

Em Cubatão, 11 famílias que moravam em áreas de risco foram removidas ontem e hoje da Pedreira da Mantiqueira. Outras quatro famílias deixaram seus lares no Grotão, pelo mesmo motivo.

 

No Guarujá, a Defesa Civil atendeu 48 chamadas e dez ocorrências em diferentes locais ocasionaram remoções de famílias, com seis residências sendo totalmente interditadas e quatro parcialmente. Ficaram desalojados 21 adultos e dez crianças que optaram em ir para casa de parentes.

 

A Prefeitura realizou outras 27 vistorias técnicas em áreas de risco, como os morros Vila Baiana, Cachoeira, Engenho, Asa Delta, Bela Vista, além da entrada do bairro Santa Cruz dos Navegantes e Vila Edna.

 

Mongaguá

 

Cerca de um terço da cidade de Mongaguá continua alagada por causa das chuvas que caem desde o último domingo, pois nesta quarta-feira, pancadas de chuva se alternam com momentos de estabilidade. De acordo com a Defesa Civil do município, 103 pessoas estão desalojadas. Não há feridos e casas desmoronadas e os habitantes deverão voltar aos seus lares quando a água abaixar.

 

O nível pluviométrico atingiu 194 milímetros nas últimas 72 horas e o rio Aguapiu, que corta o município, transbordou em vários pontos, alagando bairros inteiros como Vera Cruz, Maria Ria, Itaóca e Jussara.

 

O Fundo Social de Solidariedade de Mongaguá está recebendo doações para os desabrigados. Os itens de maior necessidade são fraldas, roupas de adultos e crianças e roupas de cama e banho. As doações podem ser encaminhadas para o Ginásio de Esportes, na rua Caraguatatuba, s/n, em Agenor de Campos. Mais informações pelo telefone (13) 3507-1074.

Mais conteúdo sobre:
Santos Baixada Santista chuvas Guarujá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.