Chuva atrasa voos no Rio e em São Paulo

Chuva atrasa voos no Rio e em São Paulo

60% das partidas tiveram problemas, pela manhã, no Santos Dumont; índice chegou a 68,7%, às 17h, em Congonhas

Pedro Dantas e Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

06 Abril 2010 | 00h00

O mau tempo suspendeu, atrasou e cancelou voos pelo segundo dia consecutivo no Aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio, e no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Até 17 horas, em 166 partidas previstas para ocorrer da capital paulista, 114 voos (68,7%) registraram algum atraso e outros 15 (9%) acabaram cancelados.

Pela manhã, 60% dos voos programados atrasaram no Rio e provocaram a ausência dos ministros da Saúde, José Gomes Temporão, do Trabalho, Carlos Lupi, e da Secretaria da Mulher, Nilcéa Freire, em reunião com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Brasília. Em todo o País, houve 40% de atrasos.

Mas a Infraero negou que Congonhas tenha ficado fechado por neblina ou chuvas. De acordo com a estatal, técnicos realizaram apenas vistoria na pista do aeroporto paulistano entre 6h06 e 6h12 e das 7h52 às 7h55 ? para verificar poças d"água.

Já o Santos Dumont ficou fechado entre 9h33 e 9h45, porque os pousos no terminal paulista estavam sendo realizados por instrumentos. À tarde, a situação melhorou e apenas 11 decolagens estavam com atrasos superiores a 30 minutos. No domingo, 20 voos foram transferidos para o Aeroporto Tom Jobim (Galeão) e 31 acabaram cancelados. O Santos Dumont fechou três vezes entre 17 e 23 horas e ficou sem operar por três horas.

Nesta segunda-feira, o aeroporto carioca voltou a fechar para pousos e decolagens entre 18h10 de 18h41, por causa da forte chuva que atingia o Rio. Segundo a Infraero, três voos tiveram de ser transferidos nesse horário para o Aeroporto Tom Jobim.

Revolta. O comerciante Agnaldo Manhez chegou ao Aeroporto de Congonhas somente no horário do almoço, em um voo vindo de Juiz de Fora (Minas Gerais). Faria conexão com destino a Curitiba (Paraná). Os atrasos provocados pelo mau tempo fizeram-no perder o avião.

Por volta das 17h30, estava revoltado, pois não havia conseguido ainda embarcar para o destino desejado. "Já perdi a reunião que estava marcada para a tarde em Curitiba. Estou perdendo dinheiro com isso. É revoltante. Do jeito que estão as coisas, só irei para Curitiba amanhã de manhã", reclamou, observando que seria melhor ter ido de ônibus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.