Cem catadores vivem em lixão no interior do Estado

Em Presidente Prudente, no interior, cerca de cem catadores moram no lixão existente no Distrito Industrial. Eles ficam em barracos de madeira no centro do terreno, que vem recebendo detritos desde 1986 e é classificado como um dos piores lixões em atividade no Estado pela Cetesb. A prefeitura local promete iniciar a retirada dessa pessoas amanhã e dar bolsa auxílio no valor de um salário mínimo (R$ 510) para cada um, além de oferecer cursos profissionalizantes.

, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2010 | 00h00

"Firmamos um compromisso com o Ministério Público. Vamos retirar os catadores na quarta-feira e iniciar depois trabalhos de cobertura do lixão, drenagem e controle de gases. Paralelamente estamos com a papelada para conseguir licença ambiental e fazer uma licitação para abrir um aterro sanitário", afirma o secretário de Meio Ambiente da cidade, Fernando Luizari./ E.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.