Ceagesp inicia reforma; feiras vão para tendas

Obras começam na terça e vão exigir mudança dos comerciantes e uso de estacionamento

NATALY COSTA, O Estado de S.Paulo

24 Fevereiro 2012 | 03h03

Com mais de um ano de atraso, vai sair do papel a reforma estrutural do pavilhão onde funcionam as feiras de flores, frutas e verduras da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp). A obra começa terça-feira e vai exigir a mudança dos comerciantes para tendas provisórias e espaços improvisados no estacionamento.

O fim da obra está previsto para março do ano que vem, mas a administração da Ceagesp garante que será feita em etapas, para não prejudicar o comércio.

Construído há mais de 40 anos, a infraestrutura precária do pavilhão, chamado Mercado Livre do Produtor (MLP), compromete a segurança dos comerciantes e compradores. Segundo permissionários, blocos de cimento caíram do teto em cima de caminhões com mercadorias e clientes se acidentaram por causa de buracos no chão. Além disso, o sistema de proteção contra incêndio é defasado, há infiltrações, fiação exposta e ferrugem nas pilastras.

Após denúncia do Estado, em março de 2010, a Ceagesp colocou telas de proteção no teto do MLP e a interdição total do pavilhão chegou a ser cogitada. Depois de uma vistoria feita pela Subprefeitura da Lapa que constatou as más condições do pavilhão, o Ministério Público Estadual ordenou reforma imediata. A obra, estimada em R$ 14,5 milhões, está sendo feita com uma ajuda de custo de R$ 11 milhões do Ministério da Agricultura.

Mesmo querendo a reforma e melhores condições de trabalho, os permissionários reclamam de ter de ficar temporariamente em uma espécie de "puxadinho". "Vão espremer cem pessoas em um espaço onde cabem 30", reclama o presidente do Sindicato do Comércio Atacadista de Flores e Plantas do Estado, Paulo Murad. Dois mil comerciantes trabalham no MLP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.