Wikimedia Commons
Wikimedia Commons

Casal é suspeito de matar filha de 5 anos em Itapetininga, interior de SP

Equipe médica suspeitou dos pais por causa de hematomas na criança; os dois já foram presos

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

04 Março 2018 | 18h43

SOROCABA - Um casal foi preso no sábado, 3, por suspeita de ter espancado até a morte a filha de cinco anos, em Itapetininga, interior de São Paulo. Phelippe Douglas Alves, de 25 anos, e Débora Silva, de 24, haviam acionado o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), no dia anterior, alegando que a criança tinha caído da cama e batido a cabeça, passando a ter convulsões. Mas a equipe médica suspeitou dos hematomas na menina, que seriam compatíveis com maus tratos.

Pela gravidade dos ferimentos, a menina Emanuelly Agatha foi transferida para o Hospital Regional de Sorocaba, mas morreu na madrugada de anteontem. O casal foi detido e, na audiência de custódia, o juiz responsável pelo plantão judiciário determinou a prisão preventiva. Débora foi levada para a Penitenciária Feminina de Votorantim e seu marido, para a Penitenciária II de Itapetininga. Ele foi colocado em cela do chamado seguro, onde ficam detentos sob ameaça, por causa do tipo de crime do qual é suspeito.

Segundo a Polícia Civil, o casal negou o crime. Os dois são usuários de drogas e já estiveram envolvidos em suspeitas de agressões a seus outros filhos.

O tio-avô da criança, José Carlos Ruivo, manifestou incredulidade diante do caso. "Tinham seus problemas, mas eram bons com os filhos. Não dá para acreditar que tenham feito o que estão dizendo”, disse Ruivo.

+ Segurança é morto em tentativa de roubo a carro-forte em Araçariguama

Além de Emanuelly, eles têm uma menina de nove anos e um menino de quatro. As crianças foram encaminhadas a um abrigo provisório pelo Conselho Tutelar até uma definição da Justiça. A polícia espera o laudo da perícia feita no corpo da criança e vai analisar os celulares apreendidos na casa da família. Vizinhos também serão ouvidos na investigação. 

A garota foi sepultada ontem. De acordo com a administração do hospital, dois avós, um tio e outros parentes acompanharam o enterro. 

+ Nº de mortos pela febre amarela chega a 102; SP prorroga vacinação

O advogado do casal que acompanhou a audiência de custódia informou que não se manifestaria, pois ainda será definido se continuará no caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.