1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Carnaval de rua rende R$ 150 milhões a mais do que sambódromo

- Atualizado: 06 Fevereiro 2016 | 00h 37

Investimento em blocos é de R$ 10 milhões contra R$ 34 milhões das escolas do Anhembi, segundo informações da SPTuris

SÃO PAULO - Uma estimativa da São Paulo Turismo (SPTuris) aponta que o carnaval de rua da capital paulista em 2016 vai arrecadar para a cidade R$ 150 milhões a mais do que a festa no Sambódromo do Anhembi. De acordo com a Prefeitura, os blocos deste ano tem potencial para levantar R$ 400 milhões com investimento de R$ 10 milhões. 

Já o evento da Liga Independente das Escolas de Samba tem aporte de R$ 34 milhões e gera R$ 250 milhões. A informação foi divulgada pelo prefeito Fernando Haddad (PT), na noite desta sexta-feira, 6, na abertura dos desfiles no Sambódromo. 

Blocos carnavalescos tomam as ruas de São Paulo
Heloisa Ballarini/ Secom
Haddad acompanha bloco afro

Fernando Haddad, prefeito de São Paulo, e Ana Estela, primeira-dama, acompanham o cortejo Ilú Oba de Min, no Centro

"Gera mais atividade econômica, são mais dias de bloco. O carnaval de rua era praticamente inexistente. Gera emprego, comercialização de produtos e mantém a rede hoteleira ocupada em uma cidade que se esvaziava nessa época", disse o petista.

Para o secretário municipal da Cultura, Nabil Bonduki, os blocos devem crescer mais nos próximos anos. Entre 2015 e 2016, o crescimento de agremiações na festa de rua foi de 36%. "O Anhembi tem um formato que não deve crescer mais porque tem um número delimitado de pessoas que é o que o Sambódromo pode comportar. A população que ia para fora gasta na cidade e dialoga com a vida de São Paulo e a cidadania cultural", finalizou Bonduki.

Veja fotos do 1º dia de desfiles em São Paulo
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
Anhembi no escuro

Parte do Anhembi ficou sem luz antes dos desfiles na primeira noite do carnaval de São Paulo. O motivo teria sido um gerador queimado. Leia mais

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX