Cãominhada reúne animais de lencinho, boné e até de capacete

Houve atendimento veterinário, caricaturas, fotos e orientação sobre tratamento, adoção e maus-tratos

Mônica Pestana, O Estado de S.Paulo

26 Abril 2010 | 00h00

O domingo foi de muita diversão para cachorros que compareceram à primeira Cãominhada Paulistana, na Avenida Escola Politécnica, zona oeste. Segundo a organização, cerca de 7 mil carros passaram pelo estacionamento do local. Havia cães de lencinho no pescoço, boné, vestidinho e até de capacete.

A largada da caminhada dos cães foi dada às 10 horas e, durante o trajeto de 800 metros, os donos dos animais podiam parar nas tendas de serviços gratuitos, como atendimento veterinário, caricaturas e fotos, e de ONGs, que orientavam sobre tratamento dos bichos, adoção e combate aos maus-tratos.

O evento é tradicional em Santos, litoral paulista, e aconteceu pela primeira vez na capital. A professora Sônia Regina Nogueira Martins, de 50 anos, levou a cachorrinha Julie, da raça lhasa apso, para caminhar. Já a compradora Karina Guedes Kakuda, de 31 anos, chegou cedo ao local e conseguiu levar a yorkshire Mel para tratar os dentes, experimentar sorvete canino e fazer caricatura ao lado da dona.

Ainda houve desfile de cães campeões de raça, apresentações de adestramento, concursos e espaço para agility - esporte que conta com corrida de obstáculos para cães, que são guiados pelos donos. Foram colocados bebedouros caninos no trajeto da caminhada, além de ambulâncias para animais e humanos. Para participar do evento, os donos tinham de cumprir a obrigatoriedade do uso da coleira para todos os cães e focinheira para cachorros das raças mastim napolitano, pit bull, rottweiler e american staffordshire terrier.

Nas bikes. Durante a Cãominhada, o casal Rogério e Fabiola Nascimento passeou com o vira-lata Raj e aproveitou para adotar mais um cachorro. "A família aumentou agora. Não temos filhos e a Maya (cachorrinha adotada) é a nova integrante da família", disse Fabiola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.