1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Cantareira sobe pelo 39º dia e opera com 64,1% da capacidade

- Atualizado: 25 Março 2016 | 12h 16

Considerado o principal sistema hídrico de São Paulo, o manancial foi o única a registrar aumento no volume armazenado de água

SÃO PAULO - Considerado o principal sistema hídrico de São Paulo, o Cantareira foi o único manancial a registrar aumento no volume armazenado de água, segundo boletim da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), divulgado nesta sexta-feira, 25. Três sistemas ficaram estáveis e o Guapiranga voltou a sofrer queda. O Rio Claro também caiu.

Os reservatórios que compõe o Cantareira subiram 0,2 ponto porcentual e operam com 64,1% da capacidade. No dia anterior, o nível estava em 63,9%. Esse índice tradicionalmente divulgado pela Sabesp considera as reservas profundas como se fossem volume útil do sistema.

Captação do volume morto do Cantareira durou 19 meses e terminou em dezembro de 2015

Captação do volume morto do Cantareira durou 19 meses e terminou em dezembro de 2015

Esta é a 39ª alta consecutiva do manancial, que há mais de cinco meses não registra perda no volume de água represada. A última queda do nível do Cantareira aconteceu no dia 22 de outubro, quando o volume do sistema desceu de 15,7% para 15,6%.

A pluviometria do dia na região foi de 2,5 milímetros. Com isso, o valor acumulado em março chegou a 165,5 mm, o que representa cerca de 93% de todo o volume de chuva esperado para o mês. A média histórica é de 178 mm.

Já de acordo com o índice que calcula o volume morto como volume negativo, o nível do Cantareira também avançou apenas 0,1 ponto porcentual e passou de 34%,7 para 34,8%. A mesma variação ocorreu no terceiro índice, segundo o qual o sistema opera com 49,6%, ante 49,5% no dia anterior.

Cantareira antes e depois
Estadão
Cantareira antes e depois

O governo de São Paulo decretou nesta segunda-feira, dia 7 de março, o fim da crise hídrica que atinge o Estado. O primeiro alerta sobre a crise havia sido feito em 27 de janeiro de 2014. Na foto à esquerda, o local onde é feita a captação do volume morto em outubro de 2014. Na imagem à direita, a mesma região em 8 de março de 2016

Outros mananciais. Usado para socorrer o Cantareira durante a crise, o Guarapiranga voltou a registrar queda. O nível do sistema desceu 0,1 ponto porcentual e os reservatórios estão com 87,2%, contra 87,3% na quinta-feira, 24. 

O Rio Claro também sofreu baixa, mas proporcionalmente maior. O manancial recuou 0,7 ponto, o que fez o volume de água represada cair de 102,9% para 102,2%. Com 263,2 mm de pluviometria acumulada neste mês, as chuvas na região já superaram a expectativa de março (245,9 mm). 

Tanto o Alto Tietê quanto o Alto Cotia e o Rio Grande se mantiveram estáveis nesta sexta. Os sistemas operam com 43,1%, 100,7% e 95,8%, respectivamente. No caso do Alto Tietê, o índice considera um volume morto, adicionado em 2014.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX