Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Cantareira sobe pela 18ª vez seguida e completa 55 dias sem queda

Apesar das altas, principal sistema hídrica ainda não saiu do volume morto e opera com - 3%, segundo índice negativo do manancial

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

20 Dezembro 2015 | 16h44

SÃO PAULO - Após chover em apenas um dia 10% do volume esperado para o mês inteiro, o Cantareira registrou a 18ª alta consecutiva no nível do manancial e completou 55 dias sem sofrer nenhuma perda, segundo aponta relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), divulgado neste domingo. Com exceção do Rio Claro, que ficou estável, os demais sistemas hídricos também tiveram aumento no volume armazenado de água.

Responsável por atender 5,2 milhões de pessoas na capital e Grande São Paulo, o Cantareira opera com 26,3% da capacidade, de acordo com índice tradicionalmente informado pela Sabesp, que considera duas cotas de volume morto como se fossem volume útil do sistema. O número é 0,4 ponto porcentual maior do que no dia anterior, quando o sistema estava com 25,9%.

A pluviometria do dia na região do Cantareira foi de 22,9 milímetros, o que fez o valor acumulado em dezembro saltar para 165,8 mm. O índice representa 75% do volume esperado para o mês inteiro, já que a média histórica é de 219,4 mm.

A última vez que o Cantareira registrou queda foi no dia 26 de outubro, quando o nível do sistema desceu de 15,7% para 15,6%. O nível atual é o maior desde que a segunda cota do volume morto foi incluída no cálculo da Sabesp, no ano passado.

A sequência positiva em novembro e dezembro, no entanto, não foi suficiente para tirar o sistema do volume morto. De acordo com a Sabesp, o Cantareira está com -3% no índice negativo, que passou a ser divulgado após decisão judicial. No sábado, esse índice estava em -3,4%. Na terceira medição, o Cantareira também teve alta e opera com 20,3%.

Outros mananciais. Atual responsável por abastecer o maior número de clientes da Sabesp (5,8 milhões), o Guarapiranga voltou a subir, após chover 11,2 mm no dia anterior. O manancial está com 86,1%, ante 85,5% no sábado. A alta foi de 0,6 ponto porcentual.

Atravessando crise severa, o Alto Tietê teve aumento de 0,5 ponto. Os reservatórios do sistema registram 21,5% da capacidade, número que considera um volume morto, acrescentado no ano passado. No dia anterior, o índice era de 21%.

Em termos proporcionais, o Alto Cotia foi quem mais subiu: 1,8 ponto. O manancial opera com 79% do volume armazenado de água, ante 77,2% no dia anterior. Já o Rio Grande subiu 0,7 ponto e está com 99%. O Rio Claro foi o único sistema que não subiu e permanece com 69,4%.

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água Sabesp São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.