Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Cantareira interrompe sequência de quedas e nível permanece estável

Segundo a Sabesp, outros três reservatórios também mantiveram o volume de água; Rio Claro e Rio Grande sofreram queda

Felipe Resk, O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2015 | 09h33

SÃO PAULO - O Sistema Cantareira interrompeu uma sequência de três quedas consecutivas e voltou a se manter estável nesta quinta-feira, 8, segundo relatório da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Outros três mananciais, entre eles Alto Tietê e Guarapiranga, também permaneceram com o mesmo volume armazenado de água.

De acordo com a Sabesp, o Cantareira continua com 6,8% - capacidade que também havia sido registrada na quarta-feira, 7. Segundo a companhia, a pluviometria do dia sobre a região do reservatório foi de 13,1 milímetros, inferior ao do dia anterior quando choveu 17,6 mm. Já o volume acumulado nos primeiros oito dias do mês é de 45,7 mm, cerca de 65% caso estivesse chovendo a média histórica de janeiro.

Para calcular a capacidade do manancial, a Sabesp considera duas cotas do volume morto, a primeira de 182,5 bilhões de litros e a segunda de 105 bilhões de livros, que passaram a ser captadas em maio e outubro, respectivamente.

Outros mananciais. Além do Cantareira, outros três reservatórios continuam com o mesmo volume de água: Alto Tietê, Guarapiranga e Alto Cotia. O nível dos sistemas Rio Claro e Rio Grande, no entanto, sofreu queda.

Sobre a região do Alto Tietê, foi registrado pluviometria de 3,1 mm. O reservatório está com 11,7% da capacidade nesta quinta-feira, o mesmo do dia anterior. O número que já leva em conta 39,4 bilhões de litros de água do volume morto.

Já no Guarapiranga choveu 10,8 mm, de acordo com a Sabesp, e o manancial opera com 39,9%. Por sua vez, o Alto Cotia permanece com 30,9% da capacidade.

Tanto o Rio Grande quanto o Rio Claro sofreram queda de 0,3 ponto porcentual do seu volume armazenado de água, depois de 24 horas sem registro de chuva. O primeiro reservatório caiu para 71,3%, ante 71,6% do dia anterior. Já o segundo chegou a 29% e estava com 29,3% na quarta-feira.

Mais conteúdo sobre:
Crise da Água São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.