Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

Cantareira interrompe sequência de 14 quedas e se mantém estável

Principal manancial de SP opera com 5,1% de sua capacidade; Sistemas Guarapiranga, Rio Grande e Rio Claro subiram

Felipe Cordeiro, O Estado de S. Paulo

26 Janeiro 2015 | 09h53

SÃO PAULO - O nível do Sistema Cantareira, o principal reservatório que abastece a capital paulista e a Grande São Paulo, interrompeu sequência de 14 dias consecutivos de queda e se manteve estável com 5,1% de sua capacidade nesta segunda-feira, 26. O atual cálculo da Sabesp já considera duas cotas do volume morto, de 182,5 bilhões e de 105 bilhões de litros de água, acrescentadas em maio e outubro, respectivamente. 

Esta é apenas a quinta vez que o Cantareira se mantém estável no ano. Nas últimas 24 horas, choveu sobre a região das represas 17,1 mm. Já nos 26 primeiros dias do mês, a precipitação acumulada é de 113,2 mm, metade do previsto caso a média histórica de 8,7 mm de chuva por dia estivesse se repetindo.

Outros mananciais. Os Sistemas Guarapiranga, Rio Grande e Rio Claro registraram aumento do volume de água armazenada, enquanto o Alto Tietê e o Alto Cotia tiveram queda. Com 33,6 mm de chuvas entre este domingo, 25, e esta segunda-feira, o Guarapiranga aumentou 2,6 pontos porcentuais e opera com 43,7%, contra 41,1% do dia anterior. A precipitação acumulada sobre o manancial em janeiro soma 188,4 mm, levemente do esperado para o período - 192,1 mm. A média histórica é de 7,3 mm de chuva por dia.

Já o Sistema Cantareira subiu 1 ponto porcentual após registrar 5,2 mm de chuvas e opera com 74% de sua capacidade, ante 73% deste domingo. Por sua vez, sobre o Rio Grande choveu somente 1,2 mm, o suficiente para fazer o manancial aumentar 0,1 ponto porcentual e ir de 27,3% para 27,4%.

O Alto Tietê, segundo principal manancial da Grande São Paulo, caiu 0,1 ponto porcentual depois de um dia de estabilidade e opera nesta segunda-feira com 10,3% de sua capacidade, contra 10,4% do dia anterior -  - números que já incluem 39,4 bilhões de litros de água do volume morto, adicionados em dezembro. Sobre as represas, choveu 7,1 mm.

No Alto Cotia, o menor entre os seis principais reservatórios, também houve queda de 0,1 ponto porcentual. O sistema está agora com 28,5% de sua capacidade, ante 28,6% do dia anterior. A chuva sobre o manancial foi de apenas 0,2 mm.

Mais conteúdo sobre:
Crise da água São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.