Campinas pode ter de cortar água nesta semana

Vazão do Rio Atibaia voltou ao nível crítico; rodízio divide a cidade em quatro regiões

JOSÉ MARIA TOMAZELA, SOROCABA, O Estado de S.Paulo

06 Maio 2014 | 02h04

Terceira maior cidade do Estado (com população menor só que São Paulo e Guarulhos), Campinas pode iniciar racionamento de água ainda nesta semana. A vazão do Rio Atibaia, que abastece 95% da população, de 1,09 milhão de pessoas, caiu para 6,6 metros cúbicos por segundo no fim de semana e voltou ao nível crítico, segundo a Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa).

A Sanasa havia divulgado que a água passaria a ser racionada quando a vazão do Atibaia baixasse para 4,0 m³/s, mas a prefeitura não pretende esperar esse limite, pois a falta de chuvas deve estender-se até setembro. Ontem, com a redução no consumo, houve ligeira recuperação para 8,5 metros cúbicos por segundo, mas a expectativa é de estiagem prolongada.

A empresa não confirmou o início do racionamento. Em seu site na internet, porém, voltou a pedir à população que economize e denuncie o desperdício de água. Desde fevereiro, está proibido na cidade usar água para lavar calçadas, residências, comércio ou veículos, sob pena de multa. As medidas resultaram em economia de 10%.

O nível do rio, recuperado parcialmente com as chuvas do início de março, vem baixando de forma progressiva, por causa do tempo seco. Há dez dias, a vazão estava em 8,9 m³/s. A queda no fim de semana foi atribuída ao aumento no consumo, uma vez que maior número de pessoas permanece em casa. Caso a restrição no abastecimento seja adotada, será na forma de rodízio, com a cidade dividida em quatro regiões.

Cantareira. O Rio Atibaia recebe as águas excedentes do Sistema Cantareira, que abastece a Grande São Paulo. O Cantareira atingiu ontem o nível histórico mais baixo desde a criação do sistema, com apenas 10% da capacidade. A falta de água nos reservatórios afeta toda a bacia dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Ao lado do Rio Jaguari, o Atibaia forma o Rio Piracicaba, que também tem o nível muito baixo.

Quatro cidades da região de Campinas - Valinhos, Vinhedo, Cosmópolis e São Pedro - adotaram oficialmente o rodízio. O município de Itu, entre Campinas e Sorocaba, também raciona água desde janeiro. Outras cidades da região, como Mombuca, Monte Mor e Paulínia, adotaram medidas para reduzir o consumo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.