Campanha tenta reduzir número de animais abandonados em rodovias de SP

Em 2016, 2.321 animais foram recolhidos em 6,9 mil quilômetros de rodovias concedidas no Estado de São Paulo

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

13 Julho 2017 | 19h05

SOROCABA - No ano passado, 2.321 animais foram recolhidos em 6,9 mil quilômetros de rodovias concedidas no Estado de São Paulo, conforme dados da Agência de Transportes do Estado (Artesp). Animais domésticos, principalmente cães e cavalos, respondem por 90% das apreensões. A média de 193,4 animais recolhidos por mês caiu para 145,5 nos primeiros quatro meses deste ano, quando foram apreendidos 582. A agência atribui a queda às campanhas de conscientização de moradores das margens da estrada.

Nesta sexta-feira, 14, uma nova campanha será realizada na área concedida à CCR SPVias, na região de Avaré, interior paulista. Folhetos informativos serão distribuídos em praças de pedágio e painéis eletrônicos exibirão mensagens em trechos de rodovias como a Castelo Branco e a Raposo Tavares. Com apoio da prefeitura, será feita panfletagem na área urbana de Avaré. De acordo com o gestor de atendimento da concessionária, Luiz De Donno, além de ser crime, o abandono de animais na rodovia pode causar acidentes. “Muitos animais abandonados acabam caminhando quilômetros em busca de alimento e água. Soltos, eles podem adentrar a pista e serem atropelados pelos veículos.”

Em agosto do ano passado, um cão solto na rodovia Castelo Branco fez um carro capotar, no km 139, em Cesário Lange. Um jovem de 18 anos e uma mulher de 25 morreram e outras duas pessoas ficaram feridas. O cão atropelado sobreviveu e fugiu. Em abril deste ano, três carros colidiram com um cavalo no km 350 da Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, em Bauru. O cavalo morreu e duas pessoas ficaram feridas. Em maio, cinco carros e uma moto bateram em duas vacas que atravessavam a pista na rodovia Santos Dumont (SP-75), em Campinas. Quatro ocupantes dos veículos se feriram. As vacas morreram.

De acordo com a Artesp, as apreensões de cães e cavalos acontecem principalmente em trechos urbanos das rodovias. Já, animais silvestres e vacas na pista são mais frequentes em áreas rurais. Os contratos de concessão preveem medidas preventivas, como o monitoramento das pistas por câmeras e instalação de telas em trechos de incidência de fauna. Na malha concedida, foram instaladas 117 passagens de faunas - os animais atravessam sob a pista, sem risco de atropelamento - e outras 36 estão em construção.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.