1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Câmara adia votação de Plano Diretor e sem-teto entram em confronto com a PM

Bruno Ribeiro e Diego Zanchetta - O Estado de S. Paulo

29 Abril 2014 | 18h 01

Texto não será votado nesta terça por falta de relatórios de cinco comissões

Atualizada às 20h47

SÃO PAULO - Cerca de 3 mil sem-teto entraram em confronto com a Polícia Militar no centro de São Paulo, por volta das 17h20 desta terça-feira, 29, logo após o presidente da Câmara Municipal, José Américo (PT), anunciar o adiamento da votação do Plano Diretor. Por falta de relatórios de cinco comissões - Saúde, Educação, Transporte, Administração Pública e Finanças -, os vereadores suspenderam a primeira discussão, prevista para a noite desta terça. Os relatórios precisariam antes ser publicados no Diário Oficial da Cidade.

Logo após o anúncio, os sem-teto que fechavam as duas vias de acesso ao Viaduto Jacareí, no centro, e pressionavam os vereadores para votar o projeto se revoltaram. Eles começaram a atirar pedras contra o Palácio Anchieta e queimaram banheiros químicos que estavam na rua. Grupos liderados pelo Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) destruíram as grades que cercavam a sede do Legislativo.

A reação da Tropa de Choque da Polícia Militar e da Guarda Civil Metropolitana (GCM) foi imediata. Os PMs começaram a lançar bombas de gás contra os manifestantes, que montaram barricadas de fogo. A confusão durou mais de uma hora, se espalhou pela região e chegou até a Praça da Sé.

Um restaurante ao lado da Câmara foi incendiado e pelo menos sete ruas foram bloqueadas com montanhas de pneus queimados. Dentro do plenário, a sessão foi suspensa após alguns sem-teto começarem a lançar pedaços de madeira arrancados das galerias nos vereadores.

Tensão. "Podem tacar fogo nos pneus, quebrar as grades, que vocês não ajudaram em nada", afirmou o presidente da Câmara ao suspender a sessão. "A história vai mostrar que vocês atrapalharam", disse Américo, enquanto bombas de gás explodiam do lado de fora do plenário. Um PM atingido com uma pedra no rosto ficou ferido e foi levado para o pronto-socorro da Casa.

Vereadores da oposição acusaram o prefeito Fernando Haddad (PT) pelo incidente - na semana passada, ele subiu em um carro de som dos grupos de sem-teto na frente da Prefeitura e pediu para que eles pressionassem a Câmara a aprovar o novo Plano Diretor, que prioriza a construção de moradias populares em áreas centrais da cidade, nas chamadas Zonas de Interesse Social (Zeis).

"Tudo o que aconteceu aqui foi fruto de uma irresponsabilidade do prefeito. Ele incitou os manifestantes", afirmou Floriano Pesaro, líder do PSDB. O PT rebateu as críticas de forma tímida, por meio do vereador Paulo Fiorilo. "É uma irresponsabilidade acusar o prefeito, a oposição não pode fazer isso", disse.

Tumulto. Durante o protesto, como os vidros da fachada do Palácio Anchieta são blindados, os manifestantes tentaram atingir as janelas laterais. As salas das lideranças do PSDB e do PSB tiveram as janelas destruídas. Funcionários passaram mal com o cheiro de gás. Enquanto isso, o centro vivia momentos de "campo de batalha".

Os manifestantes partiram, no início da noite, rumo à Catedral da Sé. Pelo caminho, os sem-teto atearam fogo em entulhos e sacos de lixos, o que causou reflexos no trânsito de avenidas como a 9 de Julho e a 23 de Maio. A polícia usou balas de borracha e bombas de efeito moral para tentar dispersar a multidão e acelerar o passo dos manifestantes até a Sé, onde se concentraram por volta das 19h.

Quem deixava o trabalho era pego de surpresa e houve pânico. "Estava indo para o ponto de ônibus na (Avenida) Brigadeiro Luís Antônio quando vi a manifestação e uma bomba foi lançada. Tentei me esconder atrás de uma banca de jornal, mas, quando ela estourou, acertou minha perna", disse o ajudante geral Alan Maceno, de 21 anos, mostrando o ferimento.

Um efetivo policial se dirigiu à região em um ônibus. No Viaduto Jacareí e no começo da Brigadeiro, um forte cheiro de gás lacrimogêneo assustou as pessoas que permaneciam nas lojas e no interior dos prédios.

Às 20h30, parte dos manifestantes que continuavam reunidos na Sé decidiu voltar à Câmara. Eles decidiram passar a noite na frente da sede do Legislativo Municipal.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo