Briga de casal pode ter iniciado incêndio em favela de São Paulo

Um corpo carbonizado, que pode ser de um dos moradores, foi encontrado pela equipe dos bombeiros

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

22 Dezembro 2011 | 10h57

SÃO PAULO - O incêndio ocorrido nesta quinta-feira, 22, em São Paulo, pode ter sido causado por uma briga de casal. A informação foi dada pelo prefeito Gilberto Kassab, que esteve no local por volta das 12h. Kassab afirmou que as primeiras informações davam conta de que o incêndio teria começado quando uma mulher, moradora da favela, teria queimado o barraco onde morava com o marido, durante uma briga. As causas serão apuradas em um inquérito que será aberto.

 

Além de Kassab, três ministros de Estado estiveram no local do incêndio. Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral), Maria do Rosário (Direitos Humanos) e Tereza Campello (Desenvolvimento Social e Combate à Fome). Eles acompanham a presidente Dilma Rousseff em visita à São Paulo.

 

Por volta de 12h30, os 120 homens do Corpo de bombeiros conseguiram controlar o incêndio, que começou por volta das 10h. Ao redor de 14 horas, durante a operação rescaldo na Favela do Moinho, um corpo carbonizado, que pode ser de um dos moradores, foi encontrado no local.

 

Boa parte da favela, que é composta por 600 barracos, que abrigam 2.500 pessoas, foi destruída pelo fogo. Quatro pessoas ficaram feridas, duas delas foram intoxicadas pela fumaça e foram encaminhadas para o pronto-socorro da Santa Casa. Uma terceira teve fratura de punho e queimaduras e foi levada para o pronto-socorro do Tatuapé. Ao menos 11 pessoas foram resgatadas pelo helicóptero Águia.

 

Segundo o coordenador da Defesa Civil municipal de São Paulo, Jair Paca de Lima, cerca de 300 barracos foram atingidos pelas chamas. Os moradores estão sendo orientados a procurarem casas de amigos ou parentes. As que não conseguirem, devem fazer cadastramento e serão atendidas pela área social da prefeitura.

 

Após o rescaldo feito pelos bombeiros, a Defesa Civil municipal deve interditar uma área de cerca de 100 mil metros quadrados, de acordo com Lima.

 

Por conta das chamas, a circulação dos trens de duas linhas da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) foi interrompida por volta das 11 horas, por medida de segurança, pois os bombeiros utilizavam a região dos trilhos para tentar controlar o incêndio.

 

Segundo a CPTM, a linha 7 foi interditada entre as estações Luz e Palmeiras/Barra Funda e a linha 8 entre as estações Julio Prestes e Palmeiras/Barra Funda. A circulação dos trens funciona normalmente nas outras estações e os usuários podem optar por acessar as estações do metrô para seguir viagem. Várias ruas próximas ao incêndio foram interditadas.

 

* Texto atualizado às 17h41

 

Mais conteúdo sobre:
incêndio prédio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.