Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo » Black blocs enfrentam PM e depredam o centro em ato contra tarifa

São Paulo

Black blocs enfrentam PM e depredam o centro em ato contra tarifa

Confronto entre mascarados e PMs começou no Anhangabaú; 3 agências bancárias foram atacadas, além de ônibus e viaturas

0

Bruno Ribeiro, Paulo Saldana e Rafael Italiani,
O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2016 | 21h43

SÃO PAULO - O protesto do Movimento Passe Livre (MPL) contra o reajuste da tarifa de ônibus, trens e metrô terminou em vandalismo e confronto, na noite desta sexta-feira, 8, no centro de São Paulo. O tumulto, causado sobretudo pelo ataque de black blocs a PMs, deixou um rastro de destruição pelas ruas. Até as 23h, havia pelo menos 3 PMs e um manifestante feridos. Ao todo, 17 pessoas foram detidas, acusadas de práticas criminosas e posse de artefato explosivo (bomba caseira). Neste sábado, a passagem sobe de R$ 3,50 para R$ 3,80.

Conforme balanço divulgado pela Secretaria da Segurança Pública (SSP), três agências bancárias foram danificadas. Um carro da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), outro da São Paulo Transporte (SPTrans) e duas viaturas da PM foram depredados. A Polícia Militar estima que 3 mil pessoas tenham participado do ato; os organizadores falam em 10 mil.

A Prefeitura de São Paulo lamentou, em nota oficial, “toda e qualquer forma de violência”. Após a dispersão do movimento, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se manifestou pelo Twitter, criticando “os inaceitáveis atos de vandalismo e a destruição de patrimônio público ocorridos hoje na capital”. “A PM agiu e continuará agindo para garantir a liberdade de manifestação e o direito de ir e vir. Vandalismo é crime. Não será tolerado.”

A expectativa era de que os 17 detidos fossem liberados até o fim da noite. Oito deles, incluindo dois menores, foram encaminhados para o 78.º DP (Jardins). Pela manhã, o secretário da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, já havia alertado que agiria “fortemente, com prisões em relação a eventuais black blocs”. “Manifestação não se confunde com vandalismo.” Até 23 horas, não havia informações sobre os policiais e ativistas que ficaram feridos.

A concentração teve início de forma pacífica, às 17 horas, na frente do Teatro Municipal, a poucos metros da Prefeitura. O ato começou com o slogan “R$ 3,80 o povo não aguenta” e teve a participação, além do MPL, de coletivos estudantis secundaristas das escolas ocupadas, juventude de partidos políticos de esquerda e Sindicato dos Metroviários. Desde o início, a PM monitorou de perto os black blocs. A polícia usou também agentes à paisana.

A marcha começou uma hora depois. Com mascarados na linha de frente, o grupo passou pelo Largo do Paiçandu, acessou a Avenida Tiradentes e entrou no Túnel do Anhangabaú. Por volta das 19h20, a confusão começou na confluência das Avenidas 23 de Maio e 9 de Julho, quando um veículo ficou no meio da passeata e deu a ré. Mascarados foram na direção do carro e a PM reagiu com bombas de efeito moral.

A região virou uma praça de guerra. A confusão se espalhou pela Ladeira da Memória, levou ao fechamento da Estação Anhangabaú do Metrô e assustou passageiros do Terminal Bandeira. Em resposta à ação da Tropa de Choque, os black blocs atacaram com garrafas, pedras e pedaços de madeira. 

Houve pânico. A comerciante Elisangela Rodrigues, de 27 anos, estava no Terminal Bandeira quando o gás lacrimogêneo tomou o local. Chorando e assustada, não sabia do protesto. “Eu desci do ônibus e começou a estourar um monte de bomba. Tinha rojão voando por cima da minha cabeça.”

Série de ataques. Divididos em vários grupos, os black blocs iniciaram uma série de ataques. Parte dos mascarados foi para a Rua Xavier de Toledo, Rua da Consolação, Praça Roosevelt, Rua Amaral Gurgel e chegou à Avenida Paulista. 

Os black blocs interceptaram ao menos dois ônibus que subiam a Avenida Ipiranga. Os passageiros receberam ordem para descer – de um deles saltou uma mulher com um bebê de colo. Os motoristas foram obrigados a atravessar os coletivos na Rua da Consolação. Os mascarados, então, destruíram os ônibus – os vidros foram quebrados e as latarias, pichadas. 

O motorista Alexandre Cazuza, de 46 anos, dirigia um dos veículos e foi ameaçado. “É desse jeito que querem reivindicar? Entraram no ônibus com spray de pimenta. Eu disse que ia deixar o ônibus do jeito que eles pedissem”, contou. Um outro grupo tomou um ônibus na Rua Amaral Gurgel. Na esquina com a Conselheiro Brotero, o coletivo foi colocado na transversal e mascarados quebraram janelas e picharam a lataria.

O ataque causou pânico entre motoristas e pedestres que transitavam pela via sob o Minhocão. “O pessoal mascarado chegou já com o ônibus dominado, já sem passageiros”, disse a atendente Roberta Barros, de 29 anos.

Revogação. Segundo Vitor dos Santos, porta-voz do MPL, o foco da manifestação foi a revogação dos novos preços. “Os políticos falam que a decisão é técnica, mas beneficia mais os empresários do que a população”, disse, antes dos confrontos. 

À noite, em sua página nas redes sociais, o MPL manteve o mesmo tom e alegou repressão do Estado. “Não são bombas, balas e prisões que vão nos impedir. A repressão conjunta dos governos municipal e estadual deixa bem claro que eles querem nos fazer pagar pela crise e manter o lucro dos empresários.” Por fim, o Passe Livre convocou novo protesto para terça-feira. / COLABORARAM MÔNICA REOLOM, JÚLIA MARQUES E FABIO LEITE

Comentários