Polícia Civil
Polícia Civil

Bilhete de filha leva a prisão de pai suspeito de estupro em Paulínia

Criança de 11 anos relatou abusos à colega, o que terminou na prisão do pai no interior de São Paulo. Homem nega que tenha praticado crime, mas exames reforçam acusação de estupro

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

07 Maio 2018 | 19h00

SOROCABA – Um bilhete escrito por uma menina de 11 anos, entregue a uma colega de escola, levou à prisão de um homem suspeito de estuprar as três filhas menores, em Paulínia, interior de São Paulo. “Eu sofro abuso do meu pai”, escreveu a criança a lápis, num pedaço de papel, juntando à frase o desenho um desenho indicando tristeza. O bilhete foi parar nas mãos do motorista da van escolar usada pela estudante, que o entregou à Polícia Civil. O vigilante José Maria Rodrigues Pinheiro, de 56 anos, pai da menina, foi preso na última sexta-feira, 7.

+ No ano, Estado reduz todos os crimes, exceto estupro

Os detalhes do caso só foram revelados nesta segunda-feira pelo delegado Rodrigo Galazzo, depois que os exames confirmaram que a menina teve o hímen rompido. As outras duas filhas, de 10 e 12 anos, também denunciaram os abusos que vinham sendo praticados pelo pai há pelo menos um ano. Conforme o delegado, o homem admitiu que acariciava as filhas, mas negou ter consumado o estupro. Ainda segundo Galazzo, além do exame médico, os depoimentos das meninas, acompanhados pelo Conselho Tutelar, confirmam de forma categórica os abusos.

Segundo ele, a mãe das crianças desconhecia a situação, por isso continuará na guarda das menores, que serão acompanhadas pelo Conselho Tutelar. As meninas já estão tendo atendimento psicológico. Pinheiro teve a prisão temporária decretada por 30 dias, mas o delegado vai pedir a conversão em prisão preventiva. Ele foi levado para uma cadeia pública na região de Campinas. Até o início da noite desta segunda-feira, 7, o suspeito não tinha apresentado advogado para sua defesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.