1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Bateria de dependentes químicos desfila na região da cracolândia

- Atualizado: 05 Fevereiro 2016 | 14h 47

Arteterapeuta do Programa Recomeço criou a Coração Valente após pegar um tamborim e passar tocando pelo meio do 'fluxo'

Festa. Ensaio atrai movimentação de passistas e ‘rainhas’ 

Festa. Ensaio atrai movimentação de passistas e ‘rainhas’ 

SÃO PAULO - Duas vezes por dia, em meio à aglomeração de usuários de crack conhecida como fluxo, o barulho de carroças e conversas é substituído pelo samba na cracolândia, região central paulistana. São os ensaios da bateria Coração Valente, formada por dependentes químicos, que vai fazer seu primeiro desfile pelas ruas da região hoje, a partir das 13 horas, na Rua Helvétia.

Quando estão com tamborim, caixa e surdo nas mãos, os integrantes da bateria reúnem concentração, disciplina e alegria. Cada ensaio do grupo dura cerca de uma hora e quem participa não pode usar nenhuma substância entorpecente durante a atividade.

Frequentador da região há dez anos, Josué Viola, de 51 anos, já tinha experiência com o samba. “Eu toco surdo e estou achando ótimo, porque a gente vai largando as drogas. Todo ser humano tem recuperação e, mesmo dormindo na rua, sempre tem um sorriso em nós.”

Carnaval 2016 pelo Brasil
Max Haack/ Divulgação
Daniela Mercury

Show de Daniela Mercury começou por volta das 15h no Circuito Osmar, nesta terça-feira de Carnaval

Tempo e ritmo. O grupo, que às vezes chega a ter 40 ritmistas, é conduzido pelo arteterapeuta do Programa Recomeço, programa estadual de combate à dependência química, Anderson Rogério Santos, de 37 anos.

“Peguei um tamborim e passei tocando no fluxo. A música é tempo, ritmo e organização e eles aprendem isso.” De acordo com os organizadores do grupo, o nome da bateria, que vai acompanhar o Blocolândia, foi escolhido por meio de votação.

Basta o ensaio começar para ter início uma movimentação de rainhas de bateria e passistas. Até um casal de mestre-sala e porta-bandeira segurando um pavilhão imaginário aparece. Os ensaios são realizados há dez meses, como parte do projeto Cidadania Rodante nas Ruas da Luz, que também oferece oficinas culturais e artísticas. 

A ação é uma iniciativa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania e dos coletivos Casa Rodante, Casadalapa e Projeto Oficinas. “É um trabalho que busca a visibilidade social. Tem a ver com ocupação da cidade e redução de danos”, diz um dos coordenadores do projeto, o psicólogo Cristiano Vianna. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX