Base da PM vira casa para família de policial

Com mulher, dois filhos, dois cachorros e passarinho, o cabo Wagner Santos Nunes, de 38 anos, mora na base comunitária de Pindorama em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo. A casa dele é a própria base da PM. Inspirada em um modelo de policiamento japonês, de quem herdou o nome, "chuzaisho", ela será inaugurada hoje. É a primeira da região metropolitana. No Estado, existem outras 33.

, O Estado de S.Paulo

22 Abril 2010 | 00h00

A proposta do chuzaisho é que o PM viva com a família na base para integrá-lo à comunidade. "Antes, tínhamos uma base com quatro policiais. Agora, temos o Nunes, um único policial que cuida da área e tem o respaldo dos moradores", diz Milton Sussumu Nomura, comandante da PM do Alto Tietê. O cabo patrulha três bairros com 3.700 habitantes em 80 km².

Para testar se a base distrital daria certo, o cabo se mudou para lá em dezembro de 2008. Os moradores e a PM dizem que houve redução da criminalidade. Com 19 anos de corporação, Nunes diz que não se sente inseguro por morar com a família na base. "Conheço toda a comunidade, até os criminosos e, quando eles pensam em fazer alguma coisa, já estou na prevenção." A jornada é de 40 horas semanais, mas, morando na base, ele acaba disponível o tempo todo. "Mas tenho qualidade de vida", garante. / M.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.