Epitácio Pessoa/AE
Epitácio Pessoa/AE

Bandidos matam criança de 5 anos em assalto na zona leste de São Paulo

Menino chorava no colo da mãe quando levou um tiro na cabeça na casa da família, na região de São Mateus

Luciano Bottini Filho, O Estado de S. Paulo

28 Junho 2013 | 09h06

SÃO PAULO - Um assaltante matou uma criança de 5 anos na madrugada desta sexta-feira, 28, na Vila Bela, região de São Mateus, zona leste de São Paulo. Incomodado com o choro da criança, que estava no colo da mãe, e inconformado porque ela dizia não ter mais dinheiro, o bandido atirou na cabeça de Bryan Yanarico Capcha. O ladrão e outros cinco comparsas assaltavam a casa dos pais de Bryan, trabalhadores bolivianos de uma confecção que estão há seis meses no Brasil. Em entrevista à Rádio Estadão, o secretário de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, disse que determinou "prioridade absoluta" na apuração do crime, que classificou de "cruel".

Edelberto, de 28 anos, pai do menino, e um tio da criança entravam na garagem na casa, quando foram abordados por seis homens, por volta de 0h30 desta sexta. Dois dos assaltantes estavam armados com revólveres e os demais com facas - cinco deles usavam capuzes e um único mostrava o rosto. Os bandidos obrigaram o pai e o tio a abrir a porta da casa, que tem dois pavimentos. Três bandidos foram para o primeiro andar e os demais permaneceram no térreo. O pai foi levado para o primeiro andar, onde estavam sua mulher, Verônica, de 24 anos, e seu filho de 5.

A mulher entregou aos criminosos R$ 3.500 - no térreo, o tio havia dado aos ladrões R$ 1 mil que ele carregava. No meio do roubo, a criança começou a chorar. Um dos bandidos mandou que ela parasse. "Faz essa criança parar de chorar!", gritou para a mãe. Os assaltantes queriam ainda mais dinheiro e ameaçaram o casal. "Eu vou matar essa criança." Desesperada, a mãe se ajoelhou e apanhou a criança no colo. Em seguida, exibiu aos bandidos a carteira vazia. "Não tenho mais dinheiro", disse Verônica. A resposta dos ladrões foi atirar na criança.

A bala acertou a cabeça de Bryan. Os assaltantes fugiram da casa levando o dinheiro. Desesperados, os pais levaram o menino ao pronto-socorro do Hospital Geral de São Mateus. Bryan morreu cinco minutos depois de chegar ao hospital. Era o filho único do casal. Seus pais querem voltar à Bolívia e enterrar o menino em sua cidade natal. O casal estava aqui fazia seis meses e tabalhava em uma oficina de costura. "Não temos dinheiro para voltar. Precisamos de ajuda. Levaram todo o dinheiro que havíamos juntado", disse Verônica. O caso foi registrado no 49º DP (São Mateus).

 

Mais conteúdo sobre:
Assassinato SP Bolívia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.