Balanço que causou morte de menina em hotel estava sem manutenção

Perito afirma que viga que desabou sobre garota de quatro anos estava comprometida e material 'apresentava sinais da ação do tempo'

Ricardo Brandt, Especial para O Estado S. Paulo

24 Julho 2012 | 14h46

CAMPINAS - O laudo do Instituto de Criminalistica deve apontar que faltava manutenção no balanço que caiu e matou uma criança de quatro anos no playground do Grande Hotel São Pedro, em Águas de São Pedro, interior de São Paulo, na tarde desta segunda-feira, 23. O perito Jefferson Willians de Gaspari, que esteve ontem no hotel, afirmou na manhã desta terça-feira, 24, em Piracicaba, que "a viga estava comprometida por falta de manutenção" e isso teria provocado o desabamento.

A tragédia aconteceu às 12h, quando a menina brincava numa das três cadeiras do balanço do playground do hotel. A viga superior do brinquedo onde ficam pendurados os balanços soltou-se nos dois lados e caiu atingindo o tórax da criança.

A menina chegou a ser levada para o pronto-atendimento de Águas de São Pedro, mas não resistiu ao ferimento. Ela teve um choque hemorrágico, após ter o pulmão perfurado.

Os pais, Maria Isabel Gomes Pereira, que é brasileira, e Jean Jaques Schaller, francês, são professores universitários na França e passavam férias do Brasil. Eles tinham entrado no hotel um dia antes acompanhados dos avós maternos e passariam a semana.

O laudo da perícia deve ficar pronto dentro de um mês, mas o perito adiantou que, apesar da boa aparência externa da madeira do balanço, por dentro o material "apresentava sinais de ação do tempo".

O delegado que acompanha o caso, Ricardo Fiori, deve começar ainda esta semana a ouvir os responsáveis pelo hotel e o monitor que estava com a menina no playground no momento da tragédia. O inquérito foi abertora para apurar homicídio culposo (sem intenção de matar).

Para a polícia, o hotel informou que o brinquedo passava por manutenção frequentemente. Por meio de nota, o Grande Hotel informou que a tragédia foi uma "fatalidade" e lamentou a morte da menina. O hotel disse que está tomando as medidas necessárias. "Foram adotadas todas as providências cabíveis nesta situação e o caso está sendo apurado."

Hoje pela manhã, um engenheiro do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) esteve no hotel.

Enterro. O corpo da garota será enterrado às 17h desta terça-feira em São Paulo. O sepultamento será no Cemitério São Paulo, na região central da cidade. O corpo está sendo velado na casa de um familiar.

Referência internacional. O Grande Hotel São Pedro, é um hotel de alto padrão, com campo de golfe e um health club com águas medicinais e banhos sulforosos.

Cercado por jardins, ele tem quadras de tênis, ginásio poliesportivo e um bosque de 330 mil metros quadrados para fazer trilhas. No período de alta temporada, como agora em julho, as diárias vão de R$ 795,00 até R$ 3.195,00.

O hotel é internacionalmente conhecido por abrigar a Escola Hotel Senac, que forma chefs de cozinha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.