Aulas são retomadas; lojas ainda sentem queda nas vendas

Carioca tenta voltar à rotina, mas ainda enfrenta uma série de obstáculos, sobretudo nas zonas sul e oeste

Márcia Vieira do Rio, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2010 | 00h00

Aos poucos, os cariocas tentam retomar a vida normal, apesar da comoção na cidade com a morte de 200 pessoas em todo o Estado, provocada pelas chuvas desde segunda-feira. As escolas públicas e privadas já recomeçaram as aulas. As universidades, no entanto, só voltam a funcionar na segunda-feira. Apesar de lojas e shoppings voltarem a abrir desde quarta-feira, as vendas no comércio estão pelo menos 30% abaixo do normal. "Ninguém está com cabeça para ir às compras", resume Aldo Gonçalves, presidente do Conselho da Associação Comercial do Rio. Ele calcula que os prejuízos já cheguem a R$ 270 milhões.

As vendas só devem voltar ao normal aos poucos. "Quando não houver mais ameaça de chuvas fortes nem notícias de pessoas morrendo, o consumidor se sentirá à vontade para comprar", acredita Gonçalves. O tempo no Rio só vai melhorar a partir de terça-feira. Por isso, a Defesa Civil continua em estado de atenção.

A tragédia provocada pelas chuvas interrompeu a onda de alto-astral que tomou conta do Rio com a escolha da cidade como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. "A catástrofe abalou a cidade num momento em que tudo parecia ir muito bem", lamenta Gonçalves.

Dificuldades. A zona oeste da cidade continua sendo a área com mais problemas de circulação. Ontem, a Serra da Grota Funda, que liga Guaratiba ao Recreio dos Bandeirantes, foi reaberta nos dois sentidos, o que melhora o deslocamento de moradores da região. A Avenida Niemeyer, em São Conrado, que faz a ligação da Barra com a zona sul, está funcionando em apenas uma pista. A outra está sendo usada por equipes de limpeza, que retiram toda a lama do local.

O Projac, onde ficam os estúdios da Rede Globo, em Jacarepaguá, não chegou a ficar alagado, mas o acesso é difícil. Por isso, o Domingo do Faustão, programa de Fausto Silva que vai ao ar no domingo, foi transferido para São Paulo. A gravação de novelas foi interrompida apenas na terça-feira, e agora segue normalmente.

O que mais preocupa os moradores da zona oeste é a interdição da Estrada Grajaú-Jacarepaguá, que faz a ligação com a zona norte. São 15 pontos de deslizamento de terra. A liberação só deve ocorrer no fim do mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.